Tempo
|
A+ / A-

Santiago Abascal

Extrema-direita em Espanha promete "resistência civil longa"

09 nov, 2023 - 16:45 • Lusa

"Isto só tem um fim: o autocrata com ares de tirano sentado no banco dos réus ou a prisão para todos aqueles que nos opomos ao golpe", defende líder do Vox.

A+ / A-

O líder do partido da extrema-direita espanhola Vox, Santiago Abascal, prometeu esta quinta-feira uma "resistência civil longa" aos acordos dos socialistas com independentistas catalães para a viabilização de um novo Governo de esquerda em Espanha.

Abascal considerou que os acordos como aquele que foi hoje anunciado com o Juntos pela Catalunha (JxCat), do antigo presidente do governo regional Carles Puigdemont, marcam o início de um "período negro na história de Espanha" e acrescentou que o Vox inicia uma fase de "resistência civil que se adivinha longa".

"É a resistência que se inicia neste momento perante um Governo disposto a tudo", disse Abascal, que considerou o primeiro-ministro socialista Pedro Sánchez um "autocrata com ares de tirano".

"Isto só tem um fim: o autocrata com ares de tirano sentado no banco dos réus ou a prisão para todos aqueles que nos opomos ao golpe", disse o líder do Vox, depois de ter reiterado o apoio a todas as manifestações e protestos contra os acordos com os independentistas que têm ocorrido diariamente em várias cidades espanholas, algumas delas marcadas por distúrbios e cargas policiais.

As concentrações ao início da noite em frente de sedes do PSOE (atualmente no poder em Espanha), em diversas cidades, estão a ser convocadas diariamente nas redes sociais por grupos de extrema-direita e têm sido apoiadas pelo Vox, a terceira força política no parlamento.

Na segunda e na terça-feira, as manifestações de Madrid, as maiores até agora, terminaram com cargas policiais.

Na segunda-feira foram detidas três pessoas e na terça-feira outras seis.

Na terça-feira, o dia com mais distúrbios, 39 pessoas ficaram feridas, 29 delas polícias, segundo as autoridades espanholas.

Na terça-feira, um grupo de mais de 500 pessoas deslocou-se também para as imediações do parlamento espanhol, tendo cortado a Gran Vía, uma das principais artérias do centro de Madrid. Após alguns minutos perto do parlamento, que a polícia já tinha protegido, o grupo regressou à concentração em frente da sede do PSOE.

O PSOE suspendeu desde terça-feira a atividade nas sedes do partido no período da tarde por causa da possibilidade de concentrações violentas em frente dos edifícios.

Além do PSOE, dirigentes de outros partidos, incluindo o Partido Popular (PP, a maior força atualmente no parlamento espanhol), condenaram as manifestações violentas.

O líder do Vox, que esteve na concentração de Madrid na segunda-feira, disse que o Governo ordenou cargas policiais perante manifestações pacíficas e legais e pediu à polícia para "não cumprir ordens ilegais caso se voltem a repetir".

Na sequência das eleições espanholas de 23 de julho, o PSOE está a fechar acordos com partidos nacionalistas e independentistas catalães, bascos e galegos que incluem uma amnistia para independentistas da Catalunha que protagonizaram a tentativa de autodeterminação da região em 2017.

A amnistia dos independentistas é o maior foco dos protestos dos partidos de direita e das manifestações nas ruas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+