Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Bloqueio de camionistas. Mais de 20 mil veículos retidos na fronteira Ucrânia-Polónia

09 nov, 2023 - 17:33 • Lusa

No posto de passagem de Hrebenne, na Polónia, um dos três bloqueados, "a fila tem cerca de 40 quilómetros de comprimento", segundo uma porta-voz da polícia local.

A+ / A-

Mais de 20 mil veículos estão hoje retidos na fronteira entre a Ucrânia e a Polónia, bloqueada por camionistas polacos desde o início da semana em protesto contra a concorrência "desleal" dos vizinhos, anunciou o Ministério da Reconstrução ucraniano.

Várias dezenas de empresas de transporte polacas começaram na segunda-feira a bloquear três pontos de passagem entre os dois países, exigindo o restabelecimento das autorizações de entrada dos seus concorrentes ucranianos, a fim de reduzir o seu número.

As filas de espera foram aumentando ao longo da semana e 20 mil camiões estão agora "retidos dos dois lados" da fronteira, segundo o Ministério da Reconstrução ucraniano.

Esta situação está a prejudicar não só as economias ucraniana e polaca, mas também as de "outros países" que pretendem transportar mercadorias, lamentou.

A Ucrânia garantiu "respeitar o direito à manifestação", embora afirmando estar "pronta para um diálogo construtivo para resolver a situação".

"A circulação na fronteira ucraniano-polaca continua complicada" para os camiões e está a piorar "a cada dia", tinha afirmado antes o porta-voz da guarda fronteiriça, Andriï Demtchenko, citado pela agência de notícias francesa AFP.

No posto de passagem de Hrebenne, na Polónia, um dos três bloqueados, "a fila tem cerca de 40 quilómetros de comprimento", segundo Malgorzata Pawlowska, uma porta-voz da polícia local.

"O tempo de espera para atravessar a fronteira é de cerca de 160 horas", indicou.

No posto de passagem de Rava-Ruska, no oeste da Ucrânia, alguns camionistas ucranianos disseram estar à espera há vários dias.

"Estamos à espera há muito tempo", disse Dmitro com impaciência, acrescentando que chegou há quatro dias e as suas reservas de água e comida estão quase a acabar.

Oleksandre, de 36 anos, descreveu condições difíceis: "Como vê, há uma vala e um campo, não há casas de banho, nada", lamentou, dizendo que está ali retido há dois dias.

"Não é normal fechar a fronteira com a Ucrânia durante a guerra. É só mais pressão económica sobre a Ucrânia", lamentou o motorista de veículos pesados.

Os polacos organizadores do protesto indicaram que poderão manter a sua ação "a longo prazo, pelo menos até ao fim do ano", segundo Andriï Demtchenko, que precisou que os autocarros e as viaturas ligeiras podem circular.

Este incidente constitui um novo obstáculo nas relações entre Kiev e Varsóvia, que se tornaram tensas nos últimos meses, nomeadamente devido ao desacordo em torno da exportação de cereais ucranianos para a Europa através da Polónia.

A Polónia, que acolheu centenas de milhares de ucranianos em fuga da guerra, está, há mais de um ano e meio, entre os principais doadores de ajuda militar à Ucrânia, que se encontra a braços com uma guerra de agressão russa desde fevereiro de 2022.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+