Tempo
|
A+ / A-

Moscovo-Pequim

Putin quer mais cooperação militar com a China

08 nov, 2023 - 15:55 • Lusa

"Refiro-me ao espaço, incluindo ativos de alta órbita, e a novos tipos de armas que garantam a segurança estratégica tanto da Rússia como da República Popular da China."

A+ / A-

O Presidente russo, Vladimir Putin, defendeu esta quarta-feira que Moscovo e Pequim devem expandir a sua cooperação em satélites militares e outras tecnologias de defesa, durante um encontro com um alto funcionário militar chinês.

Numa declaração televisiva, no início da sua reunião com o general Zhang Youxia - que é o segundo oficial na hierarquia militar da China e vice-presidente da Comissão Militar Central - o líder russo sublinhou a importância de desenvolver laços militares mais estreitos entre os dois países, argumentando que a cooperação nas esferas de alta tecnologia está no topo das prioridades.

"Refiro-me ao espaço, incluindo ativos de alta órbita, e a novos tipos de armas que garantam a segurança estratégica tanto da Rússia como da República Popular da China", defendeu Putin, explicando que "a Rússia e a China não estão a construir nenhuma aliança militar baseada nos padrões da Guerra Fria", mas antes a procurar "estabilizar a situação internacional".

No ano passado, o Presidente chinês, Xi Jinping, assumiu amizade "sem limites" com a Rússia e, nos últimos meses, Pequim criticou as sanções ocidentais contra Moscovo e acusou a NATO e os Estados Unidos de provocarem a ação militar da Rússia na Ucrânia.

A Rússia, por sua vez, tem manifestado continuamente apoio a Pequim em questões relacionadas com o conflito sobre Taiwan.

Em março, Xi Jinping visitou Moscovo, para cimentar ainda mais os laços entre os dois países, e Putin viajou até Pequim no mês passado, para uma cimeira sobre a produção de infraestruturas para o ambicioso projeto chinês conhecido como Nova Rota da Seda.

Durante a reunião de hoje com Zhang, Putin acusou a NATO de tentar expandir a sua influência na região da Ásia-Pacífico e explicou que a Rússia e a China estão a responder de "forma calma e equilibrada" e a trabalhar para fortalecer a sua segurança com exercícios militares conjuntos.

Zhang elogiou Putin por resistir à pressão ocidental, dizendo que "a Federação Russa, sob a sua liderança, se mantém firme face às sanções ocidentais".

Durante uma reunião com o ministro da Defesa russo, Serguei Shoigu, no início do dia, Zhang disse que as relações entre a Rússia e a China estão "no mais alto nível", lembrando que os dois países "invariavelmente apoiam-se mutuamente em questões de importância fundamental".

"Ao contrário de certos países ocidentais agressivos, não estamos a criar um bloco militar", disse o general chinês, acrescentando que os laços mútuos "dão um bom exemplo de interação estratégica baseada na confiança e no respeito".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+