Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Moçambique procura apoio de médicos e enfermeiros brasileiros para hospitais

08 nov, 2023 - 10:04 • Lusa

O ministro da saúde, Armindo Daniel Tiago, está no Brasil desde segunda-feira, em visita de trabalho, no âmbito da cooperação bilateral - deslocação que vai decorrer até 12 de novembro e que prevê a assinatura de "diversos acordos".

A+ / A-

O governo moçambicano pretende contar com o apoio de médicos e enfermeiros brasileiros face às necessidades do programa estatal que prevê a construção até 2030 de um hospital em cada distrito do país, foi anunciado esta quarta-feira.

"São parte dos desafios do setor de saúde moçambicano e que vão corporizar os acordos a serem rubricados pelos setores de saúde dos dois Estados, o estabelecimento de parcerias para a formação acelerada de médicos especialistas, estabelecimento de indústria farmacêutica, biotecnologia em saúde entre outros", explica o ministério da Saúde.

Na mesma informação, o ministério recorda que o Brasil "é reconhecido mundialmente pelo seu forte potencial na área da indústria farmacêutica, no sistema de inovação em biotecnologia e na formação de médicos especialistas".

"Os acordos de formação de especialistas a serem rubricados nesta visita do ministro da Saúde irão viabilizar também a provisão de médicos especialistas e não só, para atender a demanda resultante da iniciativa presidencial 'Um distrito, um hospital distrital'. Entre outros recursos humanos, a iniciativa presidencial 'Um distrito, um hospital distrital' requer profissionais especializados em enfermagem, cuidados intensivos, instrumentação e anestesiologia e outras áreas prioritárias das especialidades médicas", lê-se.

"Os acordos a serem alcançados nesta visita para área de formação vão permitir o envio de médicos moçambicanos ao Brasil e, também, da vinda de especialistas brasileiros para a formação de médicos especialistas em Moçambique", acrescenta.

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Ghebreyesus, saudou em julho, em Maputo, o programa governamental "Um distrito, um hospital", lançado em 2019, reconhecendo que são necessários investimentos na saúde no pós-pandemia.

"Concordamos que são necessários mais investimentos na saúde após a Covid-19", declarou Tedros Ghebreyesus, aludindo ao encontro que manteve na ocasião com o presidente moçambicano.

O encontro, disse, serviu para discutir o programa do governo de Moçambique para implantar infraestruturas sanitárias de raiz, equipadas com serviços modernos para reduzir a transferência de doentes para um hospital de referência.

O diretor-geral da OMS explicou que o encontro com Filipe Nyusi permitiu analisar os "investimentos necessários" para a concretização do programa "Um distrito, um hospital", de "unidades básicas de saúde através da uma nova plataforma de investimentos de impacto" no setor da saúde em Moçambique.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+