Tempo
|
A+ / A-

Alemanha põe membros do partido de extrema-direita AfD sob vigilância

07 nov, 2023 - 18:31 • Lusa

Autoridades alemãs têm registado numerosas declarações hostis aos migrantes de fé muçulmana, bem como de natureza antissemita.

A+ / A-

Os serviços de informações alemães deverão colocar "sob vigilância sistemática" as atividades e os membros do partido Alternativa para a Alemanha (AfD, extrema-direita) na Saxónia-Anhalt, alegando uma radicalização deste movimento político na região.

O chefe dos serviços de informações, Jochen Hollmann, alegou que o AfD "defende posições inconstitucionais e tornou-se tão radicalizado desde a pandemia do coronavírus que se justifica a vigilância sistemática com o uso de meios de inteligência".

Por esta razão, os seus serviços ficam autorizados a registar sem restrições dados pessoais de dirigentes do AfD, com o objetivo de "recolher informações sobre as atividades extremistas".

O partido foi colocado sob observação em 2021 e os elementos recolhidos desde então conduziram as autoridades a tirar uma conclusão: o partido viola tanto "o princípio da dignidade humana, como o princípio democrático e o princípio do Estado de direito", de acordo com um comunicado dos serviços de informações.

As autoridades registaram numerosas declarações hostis aos migrantes de fé muçulmana, bem como de natureza antissemita.

A Saxónia-Anhalt é o segundo estado onde a AfD é colocada sob vigilância sistemática, depois da Turíngia.

Numa outra região oriental, Brandemburgo, perto de Berlim, a organização juvenil da AfD também está classificada na mesma categoria.

A vigilância rigorosa não teve até agora impacto na forte popularidade da AfD nestas regiões.

A nível nacional, a AfD aproveitou nos últimos meses a insegurança da população, resultante de um novo afluxo de migrantes ao país e das lutas permanentes entre os três partidos da coligação de centro-esquerda do chanceler Olaf Scholz.

As sondagens indicam que o partido de extrema-direita está agora na segunda posição em intenções de voto (cerca de 21%), atrás dos conservadores, o que lhe permite antecipar bons resultados nas eleições regionais do próximo ano na Turíngia, Brandemburgo e Saxónia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+