Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Sobe para 36 número de mortos em acidente numa mina no Cazaquistão

29 out, 2023 - 09:00 • Lusa

À hora do acidente, causado por uma explosão de metano que provocou um incêndio, havia 252 trabalhadores na mina de carvão, que se localiza perto de Karaganda, no centro do país.

A+ / A-

Pelo menos 36 mineiros morreram e dez continuam desaparecidos após um acidente numa mina no centro do Cazaquistão, segundo um novo balanço divulgado este domingo pelas autoridades locais.

O balanço anterior, realizado no sábado pelo Ministério de Situações de Emergência cazaque, indicava que 32 pessoas haviam morrido no acidente e que 14 continuavam desaparecidos.

De acordo com as autoridades locais, havia 252 trabalhadores na mina de carvão, que se localiza perto de Karaganda, no centro do Cazaquistão, na altura do acidente, causado por um incêndio, devido a uma explosão de metano.

Os demais mineiros foram retirados da mina, operada pela ArcelorMittal.

Também no sábado, a multinacional do aço confirmou a assinatura de um "acordo preliminar" com o Cazaquistão para transferir para o Estado cazaque a sua subsidiária local, depois do acidente na mina Kostenko.

"A ArcelorMittal pode confirmar que as duas partes (...) assinaram recentemente um acordo preliminar para uma transação que transferirá a propriedade [da subsidiária] para a República do Cazaquistão", indicou a empresa num comunicado citado pela agência France-Presse (AFP).

A gigante mundial do aço detalhou estar empenhada em "finalizar essa transação o mais rápido possível".

Na sequência do acidente, o Governo do Cazaquistão anunciou que pretendia “recuperar o controlo” da subsidiária local da ArcelorMittal, após um novo acidente numa mina de carvão da gigante no setor siderúrgico mundial.

Uma nota governamental especificou que o Governo cazaque “não considera uma subsequente transferência da ArcelorMittal para outros investidores estrangeiros”.

Imediatamente após o anúncio da tragédia, o Presidente do Cazaquistão, Kassym-Jomart Tokayev, ordenou, num comunicado de imprensa, “terminar a cooperação” com o grupo.

O líder cazaque deslocou-se ao local do acidente, segundo o gabinete presidencial, onde transmitiu as “mais profundas condolências” às famílias e amigos das vítimas e encarregou o Governo de lhes prestar toda a assistência necessária.

A subsidiária cazaque da ArcelorMittal, uma das líderes mundiais nos setores siderúrgico e mineiro, é regularmente acusada pelas autoridades de não respeitar as normas de segurança e ambientais.

O Cazaquistão, uma antiga república soviética e a maior economia da Ásia Central, é rico em petróleo, gás, urânio, manganês, ferro, cromo e carvão.

Os acidentes com minas são bastante comuns nos países da antiga União Soviética, devido ao estado de degradação das instalações e como ao não cumprimento de normas de segurança.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+