Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Dois mortos em protestos em Moçambique. UE acompanha rescaldo das eleições

28 out, 2023 - 11:06 • Lusa

União Europeia diz-se preocupada com a situação no país e lamenta morte de dois manifestantes na sexta-feira.

A+ / A-

A União Europeia (UE) manifestou este sábado preocupação com as notícias de irregularidades nas eleições autárquicas de Moçambique, que se realizaram a 11 de outubro, e afirma estar a acompanhar de perto o rescaldo do processo eleitoral.

“A sociedade moçambicana mostrou-se ativamente empenhada e participou em grande escala”, destaca, em comunicado, a UE, manifestando depois preocupação com “as notícias de irregularidades”, desejando que “estas sejam devidamente tratadas para garantir um resultado pacífico e satisfatório do processo eleitoral, no pleno respeito pelo Estado de direito e pelos princípios democráticos”.

A União Europeia lamentou ainda a morte de duas pessoas durante as manifestações de sexta-feira e apelou a todos os envolvidos para que “atuem de forma pacífica”, e às autoridades para que “garantam o exercício seguro do direito à liberdade de associação e de expressão”.

Um agente da polícia e um jovem morreram durante manifestações ocorridos em Nampula e em Nacala contra os resultados das eleições autárquicas em Moçambique, segundo o Centro de Integridade Pública (CIP), uma Organização Não-Governamental (ONG) moçambicana.

O agente terá sido morto em retaliação ao baleamento de uma criança de dez anos, à saída da escola, numa ação enquadrada na reação das autoridades às manifestações contra as eleições autárquicas, na cidade de Nampula, província com o mesmo nome, no norte do país.

Na cidade de Nacala, também na província de Nampula, um jovem morreu depois de ter sido atingido por um objeto contundente no Mercado Central de Nacala, durante escaramuças entre populares e a polícia, avançou o CIP.

Nas duas cidades, o comércio paralisou, com os mercados e estabelecimentos comerciais encerrados.

Na cidade de Maputo, a polícia moçambicana fez vários disparos de gás lacrimogéneo sobre milhares de pessoas que se manifestavam.

Pelo menos 10 pessoas ficaram feridas e outras 70 foram detidas, anunciou a polícia moçambicana.

A marcha foi convocada pelo cabeça-de-lista da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo, maior partido da oposição) à autarquia de Maputo, onde se afirma vencedor, Venâncio Mondlane, contra o que apelidou de “homicídio da democracia”.

Segundo os resultados anunciados por aquele órgão eleitoral, a Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo, no poder) venceu em 64 das 65 autarquias do país, à exceção da Beira, ganha pelo Movimento Democrático de Moçambique.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+