Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

África

Polícia dispara gás lacrimogéneo em protesto pós-eleições em Moçambique

27 out, 2023 - 11:43 • Lusa

Pelo menos uma pessoa ficou ferida, atingida durante o lançamento de gás lacrimogéneo pela polícia, constatou a Lusa.

A+ / A-

A polícia moçambicana fez esta sexta-feira vários disparos de gás lacrimogéneo sobre milhares de pessoas que se manifestam em Maputo contra os resultados das eleições autárquicas anunciados pela Comissão Nacional de Eleição (CNE).

Os manifestantes participam numa marcha convocada pelo cabeça-de-lista da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo, maior partido da oposição) à autarquia de Maputo, Venâncio Mondlane, que reclama ter vencido aquela eleição, em 11 de outubro, e tentaram seguir, na avenida 24 de julho, em direção às instalações do Conselho Constitucional.

Nessa altura, cerca das 11h30 locais (10h30 em Lisboa), a marcha foi travada com o posicionamento de vários veículos blindados da polícia e depois pelo lançamento de gás lacrimogéneo, ao que os manifestantes responderam com o arremesso de pedras.

Naquela avenida central de Maputo o trânsito está fortemente condicionado pela polícia e a maioria do comércio está encerrada.

O candidato da Renamo em Maputo, Venâncio Mondlane, apelou à população para "parar tudo" esta sexta-feira, protestando contra o "homicídio da democracia", face ao anúncio de vitória eleitoral da Frelimo em praticamente todos os municípios do país.

"Paramos com toda a atividade pública e privada [na sexta-feira]", apelou Venâncio Mondlane, numa mensagem divulgada pouco depois de Carlos Matsinhe, presidente da CNE, ter anunciado, ao final da tarde de quinta-feira, a vitória da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo) em 64 das 65 autarquias nas eleições autárquicas de 11 de outubro, incluindo Maputo, confirmando os resultados de apuramento intermédio, fortemente contestados por observadores, organizações da sociedade civil e partidos da oposição.

Carlos Matsinhe, que leu a ata dos resultados a partir da capital, afirmou que oito membros daquele órgão votaram a favor do apuramento geral do escrutínio, cinco contra e dois abstiveram-se, incluindo o próprio presidente da instituição, segundo a Renamo.

Vários tribunais em todo o país chegaram a anular procedimentos, incluindo três em Maputo, e a mandar repetir o processo eleitoral nos últimos dias, mas os resultados anunciados esta sexta-feira pela CNE mantiveram-se praticamente inalterados face ao apuramento intermédio.

O candidato da Renamo à capital apelou à população para "cancelar tudo" esta sexta-feira, a partir das 09h00 (08h00 em Lisboa), para uma "megaconcentração" para "celebração da verdade", esperando a presença de "60.000 pessoas, 60.000 revolucionários".

"O objetivo direto e claro é o genocídio político da Renamo. E se o povo não reagir, em 2024, em definitivo, eliminar a Renamo, eliminar a democracia", afirmou aludindo à realização de eleições gerais no próximo ano e ao facto de o maior partido da oposição ter perdido, conforme anúncio da CNE, todas as oito autarquias que liderava no país.

O cabeça-de-lista da Frelimo a Maputo, Razaque Manhique, foi anunciado quinta-feira pela CNE como vencedor das eleições autárquicas na capital, com 58,78%. De acordo com a legislação eleitoral moçambicana, os resultados do escrutínio ainda terão de ser validados e proclamados pelo Conselho Constitucional (CC), máximo órgão judicial eleitoral do país.

A autarquia de Maputo sempre foi liderada pela Frelimo, mas Venâncio Mondlane reclamou vitória nestas eleições, com 53% dos votos, com base na contagem paralela a partir dos editais e atas originais das assembleias de voto.

"Os números estão a favor da Renamo", reagiu o candidato da Renamo, assumindo estar na posse de todos os documentos originais.

"Não vamos precisar de pegar em paus, partir instituições, partir vidros", garantiu ainda Venâncio Mondlane.

Na quarta-feira, os presidentes da Renamo, Ossufo Momade, e do Movimento Democrático de Moçambique (MDM) - que manteve a autarquia da Beira -, Lutero Simango, asseguraram que vão lutar "juntos para poder salvar a democracia", insistindo que as eleições autárquicas do dia 11 foram o "cúmulo" da fraude eleitoral.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+