Tempo
|
A+ / A-

Orbán diz que estratégia "falhou" e que ucranianos não vão reconquistar território

27 out, 2023 - 17:53 • Lusa

Considerado um dos mais céticos no apoio à Ucrânia, o primeiro-ministro da Hungria acrescentou que é necessário considerar outro plano para a população ucraniana.

A+ / A-

O primeiro-ministro húngaro alegou esta sexta-feira que a estratégia para apoiar a Ucrânia contra a Rússia "falhou" e que a União Europeia (UE) necessita de outro plano, por duvidar que os ucranianos consigam vencer no campo de batalha.

"Hoje todos o reconhecem, mas ninguém se atreve a dizê-lo alto e bom som, que esta estratégia falhou. É óbvio que não vai funcionar... Os ucranianos não vão vencer no campo de batalha", disse Viktor Orbán, à margem da reunião do Conselho Europeu, em Bruxelas.

Considerado um dos mais céticos no apoio à Ucrânia, o primeiro-ministro da Hungria acrescentou que é necessário considerar outro plano para a população ucraniana e fazer uma estimativa de custos para essa estratégia: "Assim que soubermos quando é que nos vai custar, podemos saber quando é que toca a cada um".

Viktor Orbán sustentou que apesar de haver uma "grande batalha" sobre o apoio à Ucrânia em sede de discussão dos líderes da UE, o primeiro-ministro húngaro disse não encontrar uma razão para canalizar dinheiro dos seus contribuintes para apoiar Kiev.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    27 out, 2023 Lisboa 21:25
    Dizem que os estatutos da UE vão ser revistos em breve. Façam favor de incluir uma clausula de sanção de membros que negoceiam com ou apoiam inimigos contra a política da UE. Essa clausula podia prever a suspensão de todos os direitos de membro, principalmente o direito de voto e de veto, e congelar todo e qualquer apoio mesmo humanitário que esse membro recebesse. Tenho 2 candidatos para a experimentação dessa clausula: a Hungria e a Eslováquia. Entretanto para tornear o veto mais que provável do inimigo entre nós, os Países assumem o empréstimo à Ucrânia e depois recebem da UE como já se fez no passado e a Hungria e a Eslováquia ficam a ver navios.

Destaques V+