A+ / A-

Eslováquia suspende entrega de armas à Ucrânia

26 out, 2023 - 12:00 • Lusa

“A guerra na Ucrânia não é nossa, não temos nada a ver com esta guerra”, diz Fico.

A+ / A-

O novo primeiro-ministro eslovaco, Robert Fico, anunciou esta quinta-feira o fim do envio de armas para a Ucrânia, limitando o apoio dos eslovacos a “ajuda humanitária e civil”.

“Consideramos que a ajuda à Ucrânia deva ser unicamente na questão humanitária e civil. Não forneceremos mais armas à Ucrânia”, declarou Fico, um dia após a sua nomeação como chefe de um Governo de coligação, associado a um partido de extrema-direita pró-Rússia.

“A guerra na Ucrânia não é nossa, não temos nada a ver com esta guerra”, acrescentou.

Segundo Fico, “a cessação imediata das operações militares é a melhor solução para a Ucrânia. A União Europeia (UE) deveria passar do estatuto de fornecedor de armas para o de pacificador”.

Durante as suas declarações aos deputados, Fico também anunciou que não apoiaria novas sanções contra a Rússia até que seja "analisado o seu impacto na Eslováquia".

“Se tais sanções vão nos prejudicar, como é o caso da maioria das sanções, não vejo razão para apoiá-las”, sublinhou o primeiro-ministro eslovaco.

O Kremlin reagiu imediatamente a este anúncio, minimizando a sua importância.

“A parte da Eslováquia nas entregas de armas [para Kiev] na verdade não é tão grande e, é por isso, dificilmente afetará todo o processo”, disse à imprensa o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, antes de acusar mais uma vez os Estados Unidos de alimentarem o conflito ao ajudar a Ucrânia.

O Presidente da Eslováquia empossou na quarta-feira o novo Governo liderado pelo ex-primeiro-ministro populista conservador Robert Fico, que deverá seguir uma política externa nacionalista, que já prometia acabar com a ajuda militar à Ucrânia para repelir a invasão russa.

Robert Fico volta ao cargo de primeiro-ministro pela quarta vez, depois de o seu partido Smer (Direção-Democracia Social) ter vencido as eleições parlamentares em 30 de setembro.

O partido conquistou 42 assentos no parlamento de 150 assentos no seguimento de uma campanha pró-Rússia e antiamericana.

Fico formou uma maioria parlamentar ao assinar um acordo de governo de coligação com o partido esquerdista Hlas (Voz) e o ultranacionalista Partido Nacional Eslovaco. O Hlas, liderado pelo ex-vice de Fico no Governo, Peter Pellegrini, alcançou 27 mandatos.

O reencontro de Fico e Pellegrini foi fundamental para a criação do novo governo. O terceiro parceiro, o Partido Nacional Eslovaco, assumidamente pró-Rússia, conquistou 10 assentos na legislatura.

A vitória de Fico pode marcar uma reviravolta significativa na política externa do país e prejudicar uma unidade frágil na União Europeia (UE) e na NATO.

O primeiro-ministro empossado já repetiu as afirmações do Presidente da Rússia, Vladimir Putin, de que o Governo ucraniano dirige um “estado nazi” do qual os russos étnicos no leste do país precisavam de proteção.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+