Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Guerra Israel/Hamas

"Disse a verdade". Amnistia Internacional apoia declarações de Guterres

25 out, 2023 - 17:47 • Lusa

Israel não pode impedir o trabalho humanitário da ONU na Faixa de Gaza, ressalta diretor executivo da ONG.

A+ / A-

O diretor-executivo da Amnistia Internacional, Pedro Neto, apoiou esta quarta-feira oje as declarações proferidas pelo secretário-geral da ONU, António Guterres, que condenaram o ataque do Hamas a Israel mas lembraram que o povo palestiniano é reprimido há 56 anos.

"Disse a verdade", afirmou Pedro Neto à agência Lusa, considerando "completamente desproporcional" a reação do embaixador de Israel junto da ONU, que pediu a demissão de António Guterres.

"Qualquer interpretação de condenar o sistema de 'apartheid' em que os palestinianos vivem e que é imposto por Israel não significa apoiar o terrorismo do Hamas. É completamente abusivo e desproporcionado fazer esta interpretação", disse o diretor-executivo em Portugal da organização internacional de defesa dos direitos humanos.

O secretário-geral da ONU condenou na terça-feira, na abertura de uma reunião do Conselho de Segurança dedicada à situação atual no Médio Oriente, os "atos de terror" e "sem precedentes" realizados, em 07 de outubro, pelo grupo islamita Hamas em Israel, salientando que "nada pode justificar o assassínio, o ataque e o rapto deliberados de civis".

No entanto, Guterres sublinhou ser "importante reconhecer" que os ataques do grupo islamita Hamas "não aconteceram do nada", sublinhando que o povo palestiniano "foi sujeito a 56 anos de ocupação sufocante".

O embaixador israelita junto da ONU, Gilad Erdan, reagiu, exigindo a demissão imediata de Guterres e argumentou depois, em mensagem publicada nas redes sociais, que o líder das Nações Unidas "demonstrou compreensão pela campanha de assassínio em massa de crianças, mulheres e idosos".

Mas, para o diretor-executivo da Amnistia Internacional, António Guterres "está a fazer bem o seu papel", não podendo haver dúvidas "de que condena os atos de terror do Hamas" e "os abusos de direitos humanos do exército e do Governo de Israel para com o povo palestiniano".

No entanto, continuou Pedro Neto, "esta polarização favorece tanto o Hamas como as autoridades israelitas porque nos distrai do essencial que é a proteção dos civis inocentes".

A reação do embaixador de Israel foi considerada por Pedro Neto como desproporcional, mas não uma surpresa.

Quando António Guterres visitou o portão fronteiriço de Rafah, que liga o sul de Gaza e o Egito (o único acesso ao enclave palestiniano que não é controlado por Israel), Telavive acusou o secretário-geral da ONU de "estar a defender e a querer dar a ajuda humanitária aos terroristas".

Uma declaração que "não faz qualquer sentido", sublinhou o responsável da Amnistia Internacional.

"É óbvio que António Guterres não quer ajudar terroristas. (...) Aquilo que é preciso perceber é a intenção desta retórica diplomática tão ofensiva de todos os lados que estão envolvidos diretamente no conflito", referiu.

Pedro Neto não se mostra preocupado com o impacto deste incidente na capacidade de Guterres em mediar o conflito em curso entre Israel e o Hamas.

"Creio que ele já não teria esta capacidade. É o secretário-geral das Nações Unidas e gere interesses diplomáticos de várias partes", considerou.

Para o diretor-executivo da Amnistia Internacional, quem tem de ser abordado para mediar é "quem tem ascendente sobre o Governo de Israel e quem tem ascendente sobre o Hamas", ou seja, os Estados Unidos, o Irão, o Qatar.

Israel admitiu que vai reavaliar as relações com a ONU, tendo já hoje recusado vistos a representantes das Nações Unidas.

Uma posição que leva Pedro Neto a lembrar que Israel não pode impedir o trabalho humanitário da ONU no conflito.

"O secretário-geral das Nações Unidas não é o ex-diretor executivo da WebSummit e portanto, o ascendente que Israel tem sobre o mundo das tecnologias e das empresas das tecnologias não é o mesmo que tem sobre as Nações Unidas", frisou o responsável, numa referência ao caso de Paddy Cosgrave, que deixou a liderança do evento tecnológico após comentários sobre Israel.

"Se Israel impedir a entrada de ajuda humanitária está a incumprir e a ofender o Direito Internacional humanitário", referiu, reforçando que "o Governo de Israel e o Hamas - as potências ocupantes e as potências do conflito - não estão isentas das suas obrigações perante as convenções de Genebra, nem estão isentas naquilo que diz respeito ao mandato do Tribunal Penal Internacional de Investigação de Crimes de guerra de ambos os lados".

António Guterres indicou hoje, numa mensagem divulgada nas redes sociais, que "algum alívio humanitário está a chegar a Gaza", mas lamentou tratar-se apenas de "uma gota no oceano das necessidades".

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+