A+ / A-

Guerra Israel-Hamas

“Dura vingança”. Irão ameaça Israel

18 out, 2023 - 17:50 • Lusa

Em causa o ataque a um hospital em Gaza, que fez quase 500 mortos.

A+ / A-

O Presidente iraniano, Ebrahim Raisi, avisa que Israel vai enfrentar uma "dura vingança" dos países muçulmanos após o bombardeamento de um hospital de Gaza que matou centenas de pessoas.

"[Israel] Aguarda uma dura vingança às mãos dos países muçulmanos", disse Raisi num discurso durante uma manifestação em Teerão em protesto contra o bombardeamento do Hospital Al Ahli, reportou o portal noticioso Iran Nuances.

"Enfrentarão a ira dos países muçulmanos", acrescentou Raisi, que usava um lenço palestiniano ao pescoço, sublinhando que, com o ataque ao hospital, "começou o princípio do fim do regime sionista".

"Com cada gota de sangue derramada pelos palestinianos, o regime sionista aproxima-se mais um passo do colapso", afirmou Raisi, que acusou os Estados Unidos de serem "um parceiro" de Israel nos crimes que estão a ser cometidos na Faixa de Gaza e de armar o exército israelita com mísseis.

Para o Presidente iraniano, as bombas que caem sobre a população da Faixa de Gaza "pertencem aos Estados Unidos".

O Irão declarou um dia de luto pelo bombardeamento do hospital, um massacre que Israel e as milícias palestinianas se responsabilizam mutuamente.

Milhares de pessoas em Teerão saíram à rua esta tarde para protestar contra o incidente.

Na Praça da Palestina, na capital, ouviram-se gritos de "Alá é Grande", "morte à América" e "morte a Israel".

Terça-feira à noite, milhares de pessoas já haviam protestado na capital, inclusive em frente às embaixadas da França e do Reino Unido.

A República Islâmica do Irão e Israel são inimigos e representam uma ameaça existencial um para o outro, ambos competindo através de uma guerra secreta com ciberataques, assassínios e sabotagens.

Segundo o mais recente balanço emitido pelo Ministério da Saúde do Governo Hamas, que controla o enclave palestiniano, pelo menos 471 pessoas foram mortas no ataque que atingiu um hospital na Faixa de Gaza.

Na noite de terça-feira, e na sequência do ataque, o ministério tinha-se referido a pelo menos 200 mortos, com o Hamas a acusar Israel de responsabilidade por este mortífero ataque ao hospital Al Ahli da cidade de Gaza.

Israel atribuiu, por seu lado, a responsabilidade à Jihad Islâmica, uma outra organização islamita armada de Gaza, que desmentiu.

O Ministério da Saúde do Governo do movimento islamita palestiniano também atualizou o número de vítimas, anunciando que pelo menos 3.478 palestinianos foram mortos na Faixa de Gaza desde o início da guerra entre Israel e o Hamas, para além de 12.065 feridos.

No ataque do Hamas, foram mortos cerca de 1.400 israelitas, incluindo mais de 300 militares, e sequestradas cerca de 200 pessoas que estão retidas na Faixa de Gaza, para além das centenas de mortos entre os combatentes do Hamas que se infiltraram em Israel.

O conflito já alastrou à fronteira israelo-libanesa, com contínuas trocas de disparos de artilharia e bombardeamentos entre o Exército judaico e a milícia xiita libanesa do Hezbollah. Na Cisjordânia ocupada, e desde 7 de outubro, já foram mortos pelo menos 61 palestinianos, centenas ficaram feridos e efetuadas mais de 700 detenções.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+