A+ / A-

Presidente polaco alerta que abdicar do direto de veto levará à "oligarquização" da UE

06 out, 2023 - 23:22 • Lusa

A discursar no Porto, na conferência de encerramento da 18ª reunião do Grupo de Arraiolos que decorreu esta sexta-feira, o chefe de Estado polaco chamou a atenção para as consequências do fim da necessidade de consenso dentro da União Europeia, defendo que tal não é aceitável.

A+ / A-

O Presidente da Polónia defendeu esta sexta-feira que abdicar do direito de veto como condição para alargar a União Europeia "não é aceitável" porque levará à "oligarquização" da instituição e a que "os grandes decidam o futuro dos mais pequenos".

"Algumas vozes na União Europeia que dizem que para aceitarmos novos países temos que alterar os tratados (...),também em termos de tomadas de decisão devemos abdicar do direito de veto, que devemos alterar para votos por maioria. Estas são as expectativas que levarão a uma oligarquização da União Europeia. Os grandes irão decidir o futuro dos mais pequenos e dos Estados médios da União Europeia e nós estamos certos de que não podemos concordar com isso", afirmou Andrzej duda.

A discursar no Porto, na conferência de encerramento da 18ª reunião do Grupo de Arraiolos que decorreu esta sexta-feira, o chefe de Estado polaco chamou a atenção para as consequências do fim da necessidade de consenso dentro da União Europeia, defendo que tal não é aceitável.

"Significaria estar a impor soluções que levariam a que alguns pais tivessem mais voz e outros menos voz, ou nem sequer terem voz, o que seria uma União injusta. Nós não podemos aceitar essas condições, ou por essas condições para o alargamento da União Europeia, achamos que o alargamento deve acontecer sim, mas com base nos tratados e disposições atuais e de acordo com os acordos europeus a que estamos veiculados", salientou.

A mesma opinião foi expressa pela Presidente da Hungria: "Temos que nos ater com o que está nos tratados europeus, mostrar respeito mútuo, a União Europeia é uma união de estados, nações fortes, e defendo o principio da unanimidade na tomada de decisão, não devemos abdicar desse principio", defendeu Katalin Novák.

A adesão da Ucrânia e a Moldova à família europeia foi um ponto unânime entre os chefes de Estados presentes, com o Presidente polaco a ser dos mais enfáticos na defesa daquela adesão: "Não temos dúvidas que aceitar a Ucrânia na União Europeia e na NATO vai aumentar a segurança na Europa, não temos dúvidas de que este reforço vai acontecer pelo facto da decisão da Ucrânia aderir à UE e à NATO significará a derrota da Rússia na guerra", disse.

Segundo Andrzej Duda, a guerra na Ucrânia "foi iniciada pela Rússia, a Ucrânia foi atacada precisamente porque queria aderir à União Europeia e à NATO".

"Se a Rússia ganhar esta guerra, e vendo o que se passou ao longo da história, certamente que a Rússia irá voltar a invadir outro país porque as suas ambições imperiais não estão satisfeitas, podem crer", avisou, lembrando que a Polónia é um desses países vizinhos.

o chefe de Estado polaco abordou ainda o problema das migrações, defendendo que aquela é uma questão que não se resolve com imposições: "Há dois anos que beneficiámos de um ataque hibrido, os migrantes são-nos impostos nas fronteiras da zona de Schengen (...) são necessárias soluções de asilo para os migrantes (...) mascnão podemos estar a impor soluções para cada Estado", referiu.

No Porto, no encontro que marcou os 20 anos do grupo, criado por Jorge Sampaio, marcaram presença os chefes de Estado da Bulgária, Rumen Radev, da Croácia, Zoran Milanovic, da Eslovénia, Natasa Pirc Musar, da Estónia, Alar Karis, da Finlândia, Sauli Niinistö, da Grécia, Katerina Sakellaropoulou, da Hungria, Katalin Novák, da Irlanda, Michael Higgins, de Itália, Sergio Mattarella, da Letónia, Edgars Rinkevics, de Malta, George Vela, e da Polónia, Andrzej Duda.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+