Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Tribunal da Turquia condena jornalista a prisão mas ordena sua libertação

05 out, 2023 - 00:07 • Lusa

A acusação queixou-se igualmente de que Öcalan, preso desde 1999 na ilha de Imrali, perto de Istambul, "não pode sequer falar com a família e com os advogados" e descreveu o líder curdo como "uma pessoa muito inteligente e analítica".

A+ / A-

Um tribunal de Istambul condenou esta quarta-feira o jornalista Merdan Yanardag a dois anos e meio de prisão por "propaganda terrorista na imprensa", ordenando ao mesmo tempo a sua libertação já que estava detido desde junho.

Yanardag, de 64 anos, chefe de redação do canal da oposição Tele1, tinha criticado, em junho passado, a prisão em regime de isolamento do fundador do grupo guerrilheiro curdo PKK, Abdullah Öcalan, argumentando que não havia base jurídica para a medida.

A acusação queixou-se igualmente de que Öcalan, preso desde 1999 na ilha de Imrali, perto de Istambul, "não pode sequer falar com a família e com os advogados" e descreveu o líder curdo como "uma pessoa muito inteligente e analítica".

O Ministério Público pediu uma pena de prisão até dez anos e meio por "propaganda terrorista" e "justificação de um crime", mas Yanardag negou ter querido justificar qualquer crime.

Hoje, durante um protesto em frente ao tribunal, o deputado social-democrata Özgür Özel, chefe do grupo parlamentar do CHP, o maior partido da oposição, afirmou que as palavras de Yanardag tinham sido manipuladas e retiradas do contexto e que a acusação era contra a liberdade de imprensa e de opinião.

O tribunal acabou por condenar Yanardag a dois anos e meio de prisão, mas, ao mesmo tempo, ordenou que fosse soltou em liberdade condicional, uma medida comum quando são impostas penas mais leves a pessoas que já passaram algum tempo em prisão preventiva.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+