Tempo
|
A+ / A-

Casa Branca garante que manterá ajuda a Kiev apesar da oposição

02 out, 2023 - 22:22 • Lusa

Espera-se agora que a Câmara dos Representantes vote um projeto de lei separado para ajudar o país que enfrenta a invasão russa.

A+ / A-

A Casa Branca garantiu esta segunda-feira que a ajuda dos EUA à Ucrânia será mantida "enquanto for necessário", apesar da lei para a prorrogação do financiamento do Governo por 45 dias, aprovada no sábado, não incluir um aumento desse apoio.

"Esse compromisso vai continuar. Continuaremos a ajudar a Ucrânia enquanto for necessário", garantiu a porta-voz da Casa Branca, Karine Jean-Pierre, em conferência de imprensa.

A medida que impediu o encerramento temporário da administração norte-americana, a partir da meia-noite de sábado por falta de fundos, deixou de fora a ajuda à Ucrânia solicitada pelo presidente, Joe Biden, que ascendia a 24 mil milhões de dólares (22,7 mil milhões de euros).

O Senado reduziu esses fundos para 6.000 milhões de dólares (5.700 milhões de euros), embora na sua aprovação final, por 88 votos a favor e 9 contra, a prorrogação também não incluísse este financiamento.

Espera-se agora que a Câmara dos Representantes vote um projeto de lei separado para ajudar o país que enfrenta a invasão russa.

"As ações dos republicanos extremistas não ajudam. Não nos ajudam com os nossos parceiros e aliados, mas continuaremos", realçou Jean-Pierre em referência ao apoio americano a Kiev.

A porta-voz da Casa Branca sublinhou também que Washington ainda tem uma quantidade suficiente para cobrir as necessidades urgentes da Ucrânia no campo de batalha.

Karine Jean-Pierre sublinhou que há apoio bipartidário no Congresso para continuar a financiar a Ucrânia e sublinhou que é isso que se espera na Casa Branca.

O veto à ajuda à Ucrânia na resolução aprovada no sábado partiu da ala mais dura do Partido Republicano, que considera que se está a dar um cheque em branco àquele país sem verificar a utilização que é dada a esses fundos.

O Presidente dos Estados Unidos Joe Biden destacou, após a provar a medida de financiamento de emergência, que foi evitada "uma crise desnecessária que teria infligido dor desnecessária a milhões de trabalhadores norte-americanos".

"Este projeto de lei garante que as tropas em serviço ativo continuarão a ser pagas, que os viajantes evitarão atrasos nos aeroportos, que milhões de mulheres e crianças continuarão a ter acesso a assistência nutricional vital e muito mais", frisou o chefe de Estado em comunicado.

Sobre a ajuda à Ucrânia, o Presidente defendeu que "a esmagadora maioria do Congresso tem sido firme no seu apoio" ao país.

"Em nenhuma circunstância podemos permitir que o apoio norte-americano à Ucrânia seja interrompido", disse Biden no sábado.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+