Tempo
|
A+ / A-

Julgamento contra Trump em Nova Iorque vai durar até 22 de dezembro

02 out, 2023 - 19:56 • Lusa

“Isto é a continuação da maior caça às bruxas de todos os tempos”, disse Trump quando compareceu voluntariamente em tribunal.

A+ / A-

O julgamento civil contra o ex-presidente norte-americano Donald Trump por fraude na Trump Organization durará até 22 de dezembro, confirmou, esta segunda-feira, o juiz que lidera o processo, Arthur Engoron.

Engoron anunciou a data na abertura do julgamento contra Trump num tribunal de Nova Iorque, numa sessão em que o magnata compareceu pessoalmente para assistir à exposição dos argumentos da sua defesa e insistir na validade das suas declarações financeiras e no valor de suas propriedades.

Na semana passada, o juiz já havia declarado os réus responsáveis pela acusação de fraude numa decisão sumária, pelo que o que será resolvido nos próximos três meses são acusações relacionadas ao caso, como falsificação de dados económicos, e uma compensação por danos, que a Procuradoria fixou em cerca de 250 milhões de dólares (cerca de 230 milhões de euros).

Não estava claro se a duração estimada do julgamento seria mantida após essa primeira vitória da Procuradoria-Geral de Nova Iorque, mas o juiz manteve o calendário e, além disso, sugeriu que quer um processo de baixo perfil em que ele só tenha que se pronunciar para aceitar ou rejeitar argumentos e ordenar pausas, de acordo com a imprensa norte-americana.

Trump disse que compareceu hoje ao início do processo para defender o seu nome e a sua imagem, um movimento que alguns analistas consideraram uma tentativa de favorecer a candidatura do Republicano nas próximas eleições para a Casa Branca, que continua a ser a líder das preferências entre os eleitores Republicanos, apesar de enfrentar uma longa lista de processos judiciais nos próximos meses.

Não está claro se Trump ficará durante toda a sessão desta segunda-feira ou se também se apresentará na terça-feira no tribunal, mas tanto a acusação, quanto a defesa, indicaram que chamarão Trump para testemunhar em algum momento, assim como dois dos seus filhos, que também são acusados no mesmo processo.

A decisão do juiz de condenação por fraude em negócios, tomada na semana passada, se for mantida em recurso, poderá forçar Trump a perder propriedades em Nova Iorque, incluindo a Trump Tower, um edifício de escritórios em Wall Street, campos de golfe e uma propriedade suburbana.

Trump negou qualquer irregularidade, argumenta que a procuradora e o juiz estão a subvalorizar ativos como a sua residência em Mar-a-Lago (Florida) e classificou o seu julgamento sobre práticas comerciais ilícitas como uma “caça às bruxas” politicamente motivada.

“Isto é a continuação da maior caça às bruxas de todos os tempos”, disse Trump quando compareceu voluntariamente em tribunal, prometendo defender a sua reputação, num julgamento que poderá custar-lhe o controlo do edifício Trump Tower e de outras propriedades valiosas.

“Isto é um golpe. É uma farsa”, disse o ex-presidente Republicano, reiterando as alegações de que o processo da procuradora-geral de Nova Iorque, Letitia James, é uma tentativa politicamente motivada de impedir o seu regresso à Casa Branca.

“O que temos aqui é uma tentativa de me prejudicar numa eleição”, acusou Trump, acrescentando que está convencido de que “o povo deste país não vai apoiar isto”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+