A+ / A-

japão

Johnny Kitagawa. Centenas de vítimas pedem indemnização por abusos sexuais

02 out, 2023 - 10:24 • Redação

As alegações contra Kitagawa, que morreu em 2019, ressurgiram após uma investigação da BBC em março deste ano.

A+ / A-

Mais de 300 pessoas estão a pedir indemnização por terem sido abusadas sexualmente pelo principal agente de talentos do Japão, o falecido Johnny Kitagawa, segundo avança a BBC News.

Numa conferência de imprensa esta segunda-feira, a agência disse que 325 pessoas entraram em contacto sobre a indemnização como vítimas. A agência confirmou que 150 deles eram ex-artistas.

Numa tentativa de reparar a reputação da empresa, foi anunciado que vai ser renomeada para SMILE-UP e vai tratar exclusivamente da identificação e indemnização das vítimas. Uma nova empresa vai ser criada para gerir os artistas.

Um documentário da BBC publicado em Março, que incluía alegações de várias vítimas adolescentes que trabalhavam para a agência exclusivamente masculina, atraiu a atenção internacional. Várias outras supostas vítimas falaram, incluindo o ex-artista do J-pop Kauan Okamoto, que declara ter sido abusado durante anos.

No mês passado, a sobrinha de Kitagawa, Julie Fujishima, renunciou ao cargo de chefe da agência depois de um inquérito ter revelado que os abusos ocorreram ao longo de seis décadas. O mesmo inquérito também pediu à agência que indemnizasse as vítimas.

Desde que surgiram as notícias do abuso, emissoras e marcas como Nissan, Asahi e Suntory pararam de trabalhar com a agência.

Kitagawa foi um dos homens mais ricos e poderosos do Japão. Durante décadas, foi responsável pelo lançamento das boybands e artistas mais famosos do país.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+