Tempo
|
A+ / A-

Espanha. Somar diz que acordo para executivo de esquerda está "longe"

02 out, 2023 - 19:54 • Lusa

A também ministra do Trabalho e vice-presidente do último Governo espanhol, uma coligação do Partido Socialista (PSOE) com a plataforma Unidas Podemos (agora Somar) liderada por Sánchez, falava depois de ter sido recebida pelo Rei Felipe VI.

A+ / A-

A líder do Somar, uma plataforma de partidos da esquerda e extrema-esquerda espanhola, disse hoje que ainda está longe de alcançar um acordo com os socialistas para haver um novo governo em Espanha liderado por Pedro Sánchez.

"Estamos a negociar e, hoje, ainda estamos longe do acordo", disse Yolanda Díaz, numa conferência de imprensa em Madrid.

A também ministra do Trabalho e vice-presidente do último Governo espanhol, uma coligação do Partido Socialista (PSOE) com a plataforma Unidas Podemos (agora Somar) liderada por Sánchez, falava depois de ter sido recebida pelo Rei Felipe VI.

O monarca iniciou hoje uma nova ronda de consultas com os partidos representados no parlamento para indicar um novo candidato a primeiro-ministro, na sequência das eleições de 23 de julho e depois do chumbo, pelos deputados, na semana passada, do primeiro nome que indicou, o de Alberto Núñez Feijóo, presidente do Partido Popular (PP, direita).

"Comunicámos a nossa vontade de formar um governo progressista presidido pelo senhor Sánchez, mas também comunicámos ao Rei que estamos a negociar e que, hoje, ainda estamos longe do acordo", disse Yolanda Díaz.

Sem querer avançar detalhes, Yolanda Díaz defendeu que as negociações devem ter "discrição, responsabilidade e muito diálogo".

"Nunca me levanto de uma mesa [de negociação] e, portanto, sem qualquer dúvida, vamos formar um governo progressista, mas insisto, estamos longe", afirmou.

Pedro Sánchez e Yolanda Díaz assumiram na campanha eleitoral o objetivo de fazerem uma coligação PSOE/Somar para governar Espanha, mas precisam de mais apoios parlamentares para verem o executivo viabilizado, nomeadamente, de um conjunto e partidos nacionalistas e independentistas da Catalunha, Galiza e País Basco.

Sobre as negociações com os independentistas catalães, que fazem as maiores exigências, Yolanda Díaz rejeitou fazer comentários, insistindo na necessidade de discrição para as conversas serem bem-sucedidas.

Ao contrário do PSOE, o Somar já defendeu publicamente a amnistia para os envolvidos na tentativa de autodeterminação da Catalunha em 2017, uma das exigências dos partidos independentistas.

Estes partidos pedem também que se abra a possibilidade de um referendo sobre a independência da região.

Além do Somar, Felipe VI ouviu hoje a Coligação Canária, a União do Povo Navarro, o Partido Nacionalista Basco e o partido de extrema-direita VOX.

A ronda de audições do monarca termina na terça-feira com o PSOE e o PP.

Quatro partidos independentistas da Galiza, País Basco e Catalunha não participam nas rondas com o Rei por não lhe reconhecerem legitimidade como chefe de Estado.

O PP foi o partido mais votado nas eleições de 23 de julho e o Rei indicou, em agosto, Alberto Núñez Feijóo, o líder dos populares, como candidato a primeiro-ministro, mas a investidura foi rejeitada pelos deputados na sexta-feira passada, com 177 votos contra dos 350 que têm assento no parlamento.

O novo candidato indicado pelo Rei será, previsivelmente, Pedro Sánchez, que já disse estar disponível e que acredita ter condições para reunir os apoios necessários no parlamento para ser reconduzido no cargo de primeiro-ministro.

Sánchez diz que já demonstrou isso mesmo em 17 de agosto, quando os socialistas conseguiram ficar com a presidência do parlamento graças ao apoio dos partidos de esquerda e das forças nacionalistas e independentistas da Catalunha, Galiza e País Basco.

O Congresso dos Deputados tem até 27 de novembro para eleger um novo chefe de Governo e assim evitar uma repetição das eleições.

Espanha já repetiu eleições duas vezes, em 2016 e 2019, por nenhum candidato a primeiro-ministro ter sido aprovado pelo parlamento.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+