Tempo
|
A+ / A-

Neuralink

Empresa de Elon Musk abre inscrições para testar "chips" cerebrais em humanos

20 set, 2023 - 09:36 • Beatriz Pereira

Neuralink procura pessoas com paralisia para testar o chip que pretender "conceder às pessoas a capacidade de controlar um cursor ou teclado de computador usando apenas os pensamentos".

A+ / A-

A empresa de implantes cerebrais de Elon Musk, Neuralink, anunciou que recebeu a aprovação de um conselho de revisão independente para começar a recrutar pacientes para seu primeiro teste em humanos.

Segundo uma publicação no site da Neuralink, a empresa do dono do X e da Tesla procura pessoas com paralisia para testar seu dispositivo experimental num estudo de seis anos. Para isso, a empresa abriu um formulário para candidaturas.

O objetivo é “avaliar a funcionalidade inicial do nosso BCI (brain-computer interface em inglês), para permitir que pessoas com paralisia controlem dispositivos externos com seus pensamentos”, pode ler-se no anúncio.

O chip implantado no cérebro “é esteticamente invisível e destina-se a registrar e transmitir sinais cerebrais sem fio para uma aplicação que decodifica a intenção de movimento”.

A start-up pretende depois tornar estes implantes suficientemente seguros e fiáveis para serem utilizados e "equipar" os cérebros com capacidade informática.

De acordo com o comunicado, “aqueles que têm tetraplegia devido a lesão da medula espinhal cervical ou esclerose lateral amiotrófica podem qualificar-se”.

Segundo a Reuters, os testes anteriores em animais estiveram sob escrutínio, após relatos de que os ensaios causaram sofrimento desnecessário.

Mesmo que o dispositivo se mostre seguro para uso humano, pode levar mais de uma década para que a empresa, avaliada em cinco bilhões de doláres (cerca de 4,676 milhões de euros), consiga autorização para uso comercial.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+