Tempo
|
A+ / A-

Palestina

Israel acusado de transferência forçada de palestinianos da Cisjordânia

18 set, 2023 - 15:24 • Lusa

A medida terá afetado “quase 500 pessoas” que “não tiveram outra escolha” a não ser abandonar os locais de residência no território ocupado.

A+ / A-

Pelo menos seis comunidade palestinianas na Cisjordânia ocupada fugiram das casas que habitavam e "dezenas correm perigo iminente de deslocação forçada", alertou esta segunda-feira a organização israelita B'Tselem.

De acordo com a organização não-governamental (ONG), o Governo de Israel está a levar a cabo “políticas de deslocação forçada” o que, acusa, constitui “crime de guerra”.

A ONG B'Tselem refere num relatório divulgado hoje que seis comunidade de agricultores e de beduínos palestinianos no centro e no sul da Cisjordânia foram obrigadas a fugir por se encontrarem “aterrorizadas” pelos colonos israelitas “que trabalham ao serviço do Estado”.

A medida terá afetado “quase 500 pessoas” que “não tiveram outra escolha” a não ser abandonar os locais de residência em Ras a Tin, Ein Samia, Al Bagah e Qabun no norte de nordeste de Ramahla, assim como em Khirbet Simri e Widady Tahta, nas colinas a sul de Hebron, no sul da Cisjordânia.

“Expulsar os trabalhadores dos campos, agredir fisicamente os residentes locais, invadir as casas durante a noite, provocar incêndios, assustar os rebanhos, destruir plantações, roubar propriedades, bloquear estradas” ou “destruir reservatórios de água” é a “horrível rotina” que, segundo a B'Tselem, é imposta pelos colonos a muitas comunidades palestinianas.

A organização diz ainda que a violência é fomentada pelo Estado de Israel, que “está a levar a cabo políticas de transferência forçada”, tornando insuportável a vida dos residentes da zona que pretende ocupar.

Para a B'Tselem, a estratégia de Israel “é apoiada na aprovação de ordens militares” e na autorização do Supremo Tribunal de Israel para expulsar os palestinianos dos locais onde residem.

Por outro lado, acusa a ONG, o Estado de Israel utiliza os colonos para instigar a violência.

O relatório refere ainda que existe permissividade e tolerância em relação às ações dos colonos e dos militares por parte da coligação governamental de “extrema-direita” israelita liderada por Benjamin Netanyahu.

A ONG considera que o processo é ilegal e implica Israel em crimes de guerra por se tratar, indica, de “transferências forçadas” e que são “proibidas pelo direito internacional”.

Israel controla a Cisjordânia desde 1967 mantendo um regime de ocupação militar no território.

As autoridades israelitas costumam rejeitar as acusações das organizações de defesa de direitos humanos como a B'Tselem, a Amnistia Internacional e a Human Rights Watch.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+