Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Sismo em Marrocos. Número de mortos ainda vai subir "significativamente"

09 set, 2023 - 13:06 • Lusa

Sismólogo João Duarte Fonseca diz que é natural os números aumentarem durante 48 horas. Preparação para estes eventos depende "essencialmente" do ordenamento do território.

A+ / A-

O sismólogo João Duarte Fonseca antevê que, pelas imagens que se conhecem do terramoto que abalou Marrocos, o número de fatalidades "suba significativamente" nos próximos dias, realçando que os edifícios afetados eram "bastante vulneráveis".

Em declarações à Lusa, o professor auxiliar do Instituto Superior Técnico assinala que, "durante 48 horas, é normal que os números vão aumentando", em resultado da informação que for sendo recolhida no terreno, recordando que se trata de "uma zona montanhosa e agrícola".

O sismo registado na sexta-feira à noite em Marrocos -- e que, segundo o último balanço oficial, já causou 820 mortos e 672 feridos -- é "bastante raro", nota o especialista, explicando que "não é uma magnitude comum a sul de Marrocos", onde "a atividade sísmica é mais intensa a norte", na zona do golfo de Cádis, onde se sabe que "ocorreram grandes terramotos no passado, como o terramoto de Lisboa em 1755".

O terramoto aconteceu numa zona de convergência entre as placas tectónicas africana e euro-asiática, que, noutras áreas, "são bastante estáveis", mas que, nesta localização, apresentam "deformação distribuída ao longo de centenas de quilómetros".

Para João Duarte Fonseca, há uma "lição" a retirar desta tragédia. "É que, mesmo sendo raros, estes eventos acontecem e, portanto, é fundamental estar preparado para quando eles ocorrem", frisa.

Estar preparado - concretiza - passa "essencialmente" pelo ordenamento do território e por uma "escolha criteriosa dos locais para construir as infraestruturas mais críticas, como hospitais, quartéis de bombeiros, etc.", para assim "reduzir o risco" de sismos.

"Não conseguimos reduzir a probabilidade de que o sismo ocorra, mas conseguimos mitigar os seus impactos prováveis", esclarece, acrescentando a importância de adotar também "códigos de construção antissísmica exigentes".

Ora, no caso de Marrocos, pelas imagens que o sismólogo observou, "os edifícios afetados são de construção tradicional", sem recurso ao betão armado, material "que aumenta muito a segurança", e, por isso, "bastante vulneráveis".

O último balanço oficial do terramoto que atingiu Marrocos na sexta-feira à noite subiu para 820 mortos e 672 feridos, dos quais 250 graves.

A província com mais vítimas registadas é Al Haouz, a sul de Marraquexe e próxima do epicentro, com 394 mortos, segundo o balanço até às 10h00 locais (mesma hora em Lisboa), citado pela agência espanhola EFE.

Segue-se Taroudant (271 mortos), Chichaoua (91), Ouarzazate (31), Marraquexe (13), Azilal (11), Agadir (5), Casablanca (3) e Al Youssufia (1).

De acordo com o Instituto Nacional de Geofísica de Marrocos, o sismo atingiu a magnitude 7,0 na escala de Richter e ocorreu na região de Marraquexe (norte) às 23:11, a uma profundidade de oito quilómetros.

O epicentro foi na localidade de Ighil, situada a cerca de 80 quilómetros a sudoeste de Marraquexe. O forte sismo foi sentido em Portugal e Espanha.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+