Tempo
|
A+ / A-

G20 compromete-se com energias renováveis mas sem apelar à saída dos combustíveis fósseis

09 set, 2023 - 17:58 • Lusa

No final da cimeira do G20, a declaração final apela à "aceleração dos esforços para a redução do consumo de eletricidade a partir do carvão" e e reafirma o compromisso de "reduzir e racionalizar, a médio prazo, os subsídios para utilizações ineficientes de combustíveis fósseis", tal como em outras cimeiras anteriores.

A+ / A-

O compromisso do G20 com as energias renováveis, alcançado na cimeira de Nova Deli, foi encarado como um "vislumbre de esperança" para alguns e um "mínimo" para os outros, considerando que a decisão acontece três meses antes da COP28, a 28.ª conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, que se realizará de 30 de novembro a 12 de dezembro, no Dubai.

O futuro dos combustíveis fósseis, principal causa da crise climática cada vez mais severa, está este ano no centro das negociações internacionais que culminarão em dezembro, na COP28.

Uma saída dos combustíveis fósseis sem captura de dióxido de carbono (CO2) também é considerada "indispensável" pelo primeiro relatório oficial de balanço sobre o Acordo de Paris, publicado na sexta-feira pela Organização das Nações Unidas (ONU). O G7 - Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido - já aprovou este ano a aceleração da saída dos combustíveis fósseis, mas sem calendário definido.

A declaração final aprovada pelo G20 apela à "aceleração dos esforços para a redução do consumo de eletricidade a partir do carvão", que exclui o gás e o petróleo, e reafirma o compromisso de "reduzir e racionalizar, a médio prazo, os subsídios para utilizações ineficientes de combustíveis fósseis", tal como em outras cimeiras anteriores.

O G20, cujas divergências geopolíticas são numerosas, seja sobre a Ucrânia ou por causa da rivalidade entre os Estados Unidos e a China, também se opõe sobre o futuro do petróleo, com grandes produtores como a Arábia Saudita muito relutantes sobre o assunto.

O G20 reúne as 19 economias mais desenvolvidas ou emergentes e a União Europeia. A União Africana passou a fazer parte do grupo desde sábado, não tendo sido ainda mencionada a alteração do nome para G21.

"Os líderes concordaram com o mínimo, uma repetição do compromisso do G20 de Bali em 2022 de reduzir progressivamente o carvão", disse Lisa Fischer, especialista do grupo E3G sobre alterações climáticas.

No entanto, os líderes do G20 reunidos em Nova Deli reconhecem que limitar o aquecimento global a 1,5°C, o objetivo mais ambicioso do Acordo de Paris, "exige uma redução rápida, forte e sustentada das emissões de 43% até 2030 em comparação com 2019", de acordo com as recomendações do IPCC (Painel Intergovernamental das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas), que aponta para um pico nas emissões até 2025.

Embora 2023 esteja no caminho de se tornar o ano mais quente alguma vez registado, "este G20 deveria mostrar o caminho para um futuro sem combustíveis fósseis", reagiu Friederike Roder, vice-presidente da ONG Global Citizen, denunciando "um muito mau sinal para o mundo".

A redução dos combustíveis fósseis é uma das ambições do presidente da COP28: o próprio Sultan Al Jaber, ao mesmo tempo chefe da empresa petrolífera nacional dos Emirados Árabes Unidos - ADNOC, considerou a sua redução acentuada "inevitável e essencial", uma vez construído, no entanto, o sistema de energia limpa do futuro.

Sobre este assunto, o G20 afirma, pela primeira vez, que "continuará e incentivará os esforços para triplicar as capacidades de energia renovável" até 2030, uma meta que deverá ter consenso na COP28.

"Este é um passo significativo e surpreendente do G20", disse Aditya Lolla, do grupo Ember, saudando o que chamou de "uma grande reviravolta da Arábia Saudita e da Rússia".

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+