Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Morte Prigozhin. "Tudo indica que tenha sido o Kremlin", diz especialista

25 ago, 2023 - 16:06 • Redação

O especialista Felipe Pathê Duarte acredita que Putin pode estar a dar um sinal aos opositores para as próximas eleições, em 2024.

A+ / A-

O especialista em Relações Internacionais, Felipe Pathê Duarte, acredita que terá sido o Kremlin a atacar o avião em que seguiam os principais dirigentes do grupo Wagner, incluindo o líder Yevgeney Prigozhin.

Em declarações à Renascença, Pathê Duarte enquadra o acidente, que resultou na morte do líder mercenário, no que diz ser uma conduta habitual das autoridades russas.

"Aqui neste caso, tudo indica que tenha sido o Kremlin a fazê-lo. Tudo aquilo que desafia o poder do Kremlin acaba punido de várias formas. Muitas delas com a morte", explica.

Não querendo tirar conclusões sobre as causas da queda do avião em que seguiam os mercenário, Pathê Duarte admite que, tendo sido intencional, a Ucrânia também tinha motivos de "vingança e provocação da instabilidade social e política russas" para anular Prigozhin. Contudo, acrescenta que, na eventualidade de o responsável ser o Kremlin, pode ser encarado como uma demonstração de força para as eleições presidenciais russas, em 2024.

"Poderá ter sido o Kremlin, no reforço de poder de Putin, já visando as presidenciais de 24, de que não há fraqueza na liderança", remata.

Vladimir Putin e Volodymyr Zelensky já reagiram à notícia da morte de Prigozhin. Ambos descartaram responsabilidades na morte do mercenário, mas divergiram no sentimento que verbalizaram. O líder russo enviou condolências à família, enquanto que o líder ucraniano revelou ser uma "coisa boa" para a Ucrânia.

Yevgeney Prigozhin morreu esta quarta-feira, depois do avião onde seguia, numa ligação Moscovo-São Petersburgo se ter despenhado a 65 quilómetros de Moscovo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+