A+ / A-

Kiev e Bucareste acordam impulsionar exportações de cereais

18 ago, 2023 - 17:53 • Lusa

Roménia espera transportar mais de 60% de cereais da Ucrânia e assumiu a meta "ambiciosa" de duplicar o transporte de cereais ucranianos através do seu país.

A+ / A-

Ucrânia e Roménia assinaram nesta sexta-feira um acordo de cooperação para aumentar a exportação de cereais ucranianos através de infraestruturas romenas, após a Rússia romper o acordo que permitia a passagem segura da produção cerealífera através do Mar Negro.

O acordo foi assinado durante uma viagem do primeiro-ministro ucraniano, Denys Shmyhal, à capital romena, Bucareste, para conversações com o seu homólogo romeno, Marcel Ciolacu.

Os dois líderes discutiram formas de aumentar as principais exportações de cereais do país devastado pela guerra e melhorar as infraestruturas de transporte fluvial, ferroviário, rodoviário e marítimo, inclusive nas passagens de fronteira.

A economia da Ucrânia depende fortemente da agricultura, cuja produção é crucial para o abastecimento mundial de trigo, cevada e óleo de girassol.

Numa conferência de imprensa após o encontro com o primeiro-ministro ucraniano, Marcel Ciolacu disse que espera que a Roménia possa transportar mais de 60% das exportações de cereais da Ucrânia e assumiu a meta "ambiciosa" de duplicar o transporte de cereais ucranianos através do seu país, definida na semana passada durante uma reunião que incluiu autoridades ocidentais e ucranianas na cidade romena de Galati, no rio Danúbio.

A Roménia pretende duplicar a quantidade de cereais ucranianos transitados, de 2 milhões para 4 milhões de toneladas por mês, mas Ciolacu não especificou um prazo para o aumento.

"Enfatizei a importância da colaboração entre os nossos países, bem como com os nossos parceiros internacionais", disse o governante.

O líder romeno acrescentou que o porto de Constanta, no Mar Negro, continuará a ser uma importante rota de transporte para levar as mercadorias da Ucrânia para o mercado internacional.


O Canal Sulina, um braço do rio Danúbio, o segundo maior curso fluvial da Europa e uma importante rota de transporte, também desempenhará um papel importante.

Ataques russos na origem da decisão

A reunião bilateral ocorre após semanas de ataques russos ao armazenamento de cereais e instalações portuárias da Ucrânia ao longo do rio Danúbio.

A Ucrânia tem confiado cada vez mais nesses portos do Danúbio após Moscovo romper o nevrálgico acordo de navegação durante a guerra que permitia a passagem segura das exportações de cereais pelo Mar Negro.

Como resultado, Kiev procurou redirecionar o transporte através do Danúbio e as ligações rodoviárias e ferroviárias para a Europa.

O primeiro-ministro ucraniano disse hoje que os dois países vizinhos terão como objetivo agilizar os controlos de fronteira nos pontos de passagem para um transporte mais expedito de mercadorias.

"Discutimos a melhoria das infraestruturas de transportes destruídas pela Rússia", disse Shmyhal.

A chamada Iniciativa dos Cereais do Mar Negro, acordo firmado no ano passado que também envolveu a Rússia, contribuiu para fazer baixar os preços globais dos alimentos e proporcionou aos ucranianos grandes receitas.

Após a retirada unilateral de Moscovo do acordo, em julho passado, a comunidade internacional procura agora encontrar uma forma de garantir a segurança das rotas de transporte para o resto do mundo dos cereais a tempo da colheita do próximo outono, sendo a Ucrânia e a Rússia grandes exportadores.


Segundo o diário norte-americano The Wall Street Journal, há responsáveis norte-americanos em conversações com a Turquia, a Ucrânia e os países vizinhos sobre o aumento do tráfego ao longo do Danúbio, que desagua no Mar Negro, na fronteira entre a Ucrânia e a Roménia.

Um desses responsáveis afirmou que Washington iria analisar todas as opções, incluindo a de um acompanhamento militar dos navios mercantes ucranianos.

O primeiro cargueiro saído da Ucrânia após o fim do acordo sobre cereais chegou na quinta-feira à tarde a águas turcas, apesar do cerco russo, segundo 'sites' especializados em tráfego marítimo.

O porta-contentores Joseph Schulte, com pavilhão de Hong Kong, partiu na quarta-feira do porto ucraniano de Odessa, desafiando a Rússia, que ameaçou atacar tais embarcações desde que pôs fim ao acordo.

O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, afirmou que o cargueiro percorreu a rota de "um novo corredor humanitário" definido por Kiev, depois de a Rússia ter procedido, no fim de semana passada, a disparos de advertência contra um navio de mercadorias que se dirigia para Izmail, um porto do rio Danúbio, no sul da Ucrânia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+