A+ / A-

Guerra na Ucrânia

Rússia acusa Polónia de planear ocupação da Ucrânia

09 ago, 2023 - 14:29 • Diogo Camilo

Ministro da Defesa russo diz que aumento da militarização polaca e da ligação polaco-ucraniana apenas tem como objetivo a ocupação das regiões ocidentais da Ucrânia e aponta o país como o “principal instrumento da política anti-russa” dos EUA.

A+ / A-

A Rússia acusou esta quarta-feira a Polónia de estar a planear uma ocupação a região ocidental da Ucrânia, alertando para os riscos associados à militarização do país.

“Existem planos para criar uma ligação polaco-ucraniana, supostamente para garantir a segurança da Ucrânia Ocidental, mas com objetivo de ocupação subsequente deste território”, disse o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, após reunião do conselho militar, citado pela agência estatal Tass.

O responsável do Kremlin, que devido à militarização da Polónia, o país é agora o “principal instrumento da política anti-russa” dos Estados Unidos da América.

“Varsóvia anunciou a sua intenção de construir, como dizem os polacos, ‘o exército mais poderoso do continente’”, disse Shoigu, alertando para as “compras em grande escala de armas” dos EUA, Reino Unido e Coreia do Sul.

A 1 de agosto, o Ministério da Defesa da Polónia tinha anunciado a decisão de enviar mais militares e helicópteros de combate para a fronteira com a Bielorrússia, após a violação das fronteiras aéreas do país por helicópteros bielorrussos.

A ideia não é nova. Em julho, o diretor do serviço de inteligência russo, Sergei Naryshkin, já tinha afirmado, numa reunião do Conselho de Segurança com Vladimir Putin, que a Polónia poderia impor o controlo sobre territórios ocidentais da Ucrânia, posicionando as suas tropas no local.

Rússia vai reforçar número de militares nas fronteiras

Este é um dos pretextos que levou Moscovo a anunciar o reforço do número de militares nas fronteiras ocidentais, anunciado por Shoigu na mesma reunião.

O ministro russo disse ainda que espera que a Finlândia também comece a receber armas, indicando que a entrada do país na NATO vai duplicar o comprimento da fronteira da Rússia com países da Aliança Atlântica.

Apelidando a entrada de Finlândia e a futura entrada da Suécia como um “sério fator de destabilização”, Shoigu indicou que o Ocidente “está a procurar uma guerra por aproximação” com Moscovo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    11 ago, 2023 Lisboa 16:46
    Estranha conversa vinda dum pais invasor e agressor, que diz "só" querer as 4 regiões ucranianas que anexou ilegalmente - e que são "apenas" metade da Itália com 145 000 Milhões de euros em minérios no subsolo, infraestruturas, portos, industrias, etc - e que ninguém reconhece como russas a não ser a Rússia e os badamecos do costume - sírias, Bielorrússias, coreias no norte... Deem-lhes isso, e eles só querem a PAAZZZZZZZ, pelo menos durante 3 a 5 anos que é o que demoram a reconstruir o exército russo para poderem repetir a façanha...
  • A bem dizer
    09 ago, 2023 Ocidente 17:21
    A guerra não lhes deve estar a correr tão bem como apregoam: primeiro já se "contentam" com as regiões criminosamente anexadas, agora já falam que é a Polónia que quer ocupar a Ucrânia e eles não - eles são uns santinhos! Qual será a próxima piada que vem de Moscovo? Aceitam-se apostas...

Destaques V+