A+ / A-

Morreram mais de 3.900 pessoas desde o início da guerra no Sudão

22 jul, 2023 - 19:02 • Lusa

A Organização Não Governamental (ONG) especializada na contabilização de vítimas em conflitos armados, ACLED, estimou hoje que mais de 3.900 pessoas tenham morrido desde o início da guerra no Sudão, 880 das quais nas últimas quatro semanas.

A+ / A-

De acordo com a agência espanhola de notícias Europa Press, que cita o último relatório da ACLED, de 14 de junho a 17 de julho houve pelo menos 880 mortos, entre os quais estão 220 civis, e durante essas quatro semanas “o exército sudanês sofreu importantes reveses e perdeu território nas regiões de Cartum, Nilo Azul e Darfur” para os paramilitares das Forças de Apoio Rápido (RSF).

O estado de Cartum, onde está a capital do país com o mesmo nome, continua a ser a região mais violenta, com mais de 500 mortes registadas em quatro semanas, seguida do Darfur, com 115 mortos, resultado dos fortes combates, “que subiram de intensidade ao ponto de duplocar o número de ataques registados nas quatro semanas anteriores”.

No relatório, a ACLED assinala que o último mês foi também marcado pela entrada de novos grupos armados no conflito, como a fação do Movimento de Libertação do Povo do Sudão (SPLM-N), liderado por Abdelaziz al Hilu, que tem levado a cabo vários ataques contra o governo no sul do país.

A guerra pelo poder no Sudão, deflagrada em 15 de abril, entre o exército, liderado pelo general Abdel Fattah al-Burhan, e as RSF, lideradas pelo general Mohamed Hamdane Daglo, já causou quase 4 mil mortos e mais de 3,3 milhões de deslocados e refugiados, números que devem ser significativamente maiores, devido às dificuldades de acesso a informação atualizada nas zonas de conflito.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+