Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Guerra na Ucrânia

Coluna de mercenários do Grupo Wagner chega à Bielorrússia

17 jul, 2023 - 20:30 • Lusa

O grupo é composto por mais de 100 veículos com bandeiras russas e insígnias do Grupo Wagner entrou no país.

A+ / A-

Vários mercenários do Grupo Wagner chegaram à Bielorrússia, prosseguindo o plano de realocação para este país após a rebelião do mês passado, de acordo com um grupo local de ativistas.

O grupo ativista bielorrusso Belaruski Hajun, que está a monitorizar os movimentos de tropas na Bielorrússia, informou que uma coluna composta por mais de 100 veículos com bandeiras russas e insígnias do Grupo Wagner entrou no país, em direção a um acampamento que as autoridades de Minsk disponibilizaram a esta organização paramilitar, liderada por Yevgeny Prigozhin.

Os ativistas bielorrussos indicaram que esta foi a terceira coluna de veículos com elementos do grupo de mercenários a entrar no país desde a semana passada.

O Presidente da Bielorrússia e um reconhecido aliado de Moscovo, Alexander Lukashenko, que negociou um acordo que pôs fim à rebelião do mês passado lançada por Yevgeny Prigozhin contra as altas chefias militares da Rússia, anunciou a medida de receber os mercenários do Grupo Wagner como uma forma das forças armadas bielorrussas beneficiarem da experiência de combate destes operacionais.

Na sexta-feira, a televisão estatal bielorrussa transmitiu um vídeo que mostrava instrutores do Grupo Wagner a treinar as forças de defesa territorial bielorrussas num campo de tiro na região de Asipovichy, onde está localizado um acampamento oferecido aos mercenários.

O grupo Belaruski Hajun disse, na semana passada, que Prigozhin passou uma noite num acampamento perto de Tsel, cerca de 90 quilómetros a sudeste da capital bielorrussa, Minsk.

Na rebelião de 23 de junho, que durou menos de 24 horas, os mercenários de Prigozhin rapidamente tomaram a cidade de Rostov-on-Don, no sul da Rússia, e capturaram o quartel-general militar sem disparar um tiro, antes de se dirigirem até perto de Moscovo, com a intenção de derrubar as chefias militares russas.

No final, Prigozhin ordenou aos seus operacionais que voltassem para os acampamentos, depois de fechar um acordo para acabar com a rebelião em troca de uma amnistia para si e para os seus homens, bem como permissão para se transferirem para a Bielorrússia.

O Ministério da Defesa da Bielorrússia não revelou quantos mercenários do Grupo Wagner estão no território bielorrusso.

O Presidente russo, Vladimir Putin, declarou que as tropas do Grupo Wagner podem escolher entre assinar contratos com o Ministério da Defesa, mudar-se para a Bielorrússia ou aposentarem-se das tarefas militares.

Na semana passada, o Ministério da Defesa russo disse que o Grupo Wagner estava a concluir a entrega das suas armas aos militares russos, como parte dos esforços das autoridades de Moscovo para neutralizar a ameaça representada pelos mercenários liderados por Prigozhin.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+