A+ / A-

Guerra na Ucrânia

Kiev proíbe uso de língua russa em espaços culturais e de entretenimento

14 jul, 2023 - 22:54 • Lusa

Vasylchuk acrescentou que a moratória também se aplica a objetos de arte material e espiritual que têm significado artístico, histórico, etnográfico e científico e devem ser armazenados, reproduzidos e protegidos de acordo com a lei ucraniana.

A+ / A-

A Câmara Municipal de Kiev proibiu o uso público de livros, músicas, apresentações, espetáculos, livros de arte, obras audiovisuais e outras manifestações culturais em língua russa na capital ucraniana.

Numa reunião em 13 de julho, os deputados municipais adotaram a decisão de proibir o uso público de produtos de entretenimento em língua russa, informou a autarquia de Kiev, citada hoje pelo jornal independente ucraniano Euromaidan.

A decisão impõe uma moratória na exibição pública de "produtos culturais" em língua russa, incluindo música, apresentações, concertos, livros, obras de arte e audiovisuais, artesanato, serviços culturais e educativos.

"É necessário proteger o espaço de informação ucraniano das influências híbridas do estado agressor, que está a tentar destruir a identidade nacional ucraniana, cultura, tradições, costumes e memória histórica. A Rússia não tem lugar no coração da nossa capital", disse o Vadym Vasylchuk, presidente do Comissão Permanente de Educação, Ciência, Juventude e Desporto, citado pela mesma publicação.

Vasylchuk acrescentou que a moratória também se aplica a objetos de arte material e espiritual que têm significado artístico, histórico, etnográfico e científico e devem ser armazenados, reproduzidos e protegidos de acordo com a lei ucraniana.

No mesmo dia, o Conselho da Cidade de Kiev aprovou a decisão de desmontar ou deslocar 69 monumentos, memoriais e elementos decorativos associados à antiga União Soviética ou à Rússia.

Já em novembro do ano passado, a Câmara de Kiev tinha excluído por completo o ensino da língua russa como parte dos currículos das instituições municipais no pré-escolar e ensino médio geral.

Kiev tem sido uma das cidades mais fustigadas pelos ataques aéreos russos desde a invasão militar das tropas de Moscovo na Ucrânia, em 24 de fevereiro do ano passado, amplamente condenada na comunidade internacional, e justificada pelo Presidente da Rússia, Vladimir Putin, com a necessidade de "desnazificar" e desmilitarizar o regime ucraniano para segurança da Rússia.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Costa
    15 jul, 2023 Porto 06:50
    A sete chaves, todos os povos são povos de Deus, quem excluí é excluído, quem marginaliza é marginalizado, quem ousa maldizer um desses pequeninos que vestem os povos não tem sabedoria. Não há uma canção de um americano que fala sobre isto? O amor que os russos têm aos seus filhos que é exatamente igual aos dos outros povos? O Racismo é uma ilusão, subscreve a UE isto? Que é afinal no dicionário dos europeus racismo? Só não vê quem não quer ver, cultivar o ódio, não sabem que um dia a guerra vai acabar e que depois vão ter de voltar a viver juntos, que coragem têm estas alminhas em proferir tais leis. Libertem a pobre Ucrânia deste pesadelo sem fim à vista.

Destaques V+