A+ / A-

​Zelensky promete “lutar por condições de segurança” para a Ucrânia aderir à NATO

12 jul, 2023 - 10:10 • Hugo Monteiro , Cristina Nascimento

Presidente ucraniano falou aos jornalistas no arranque do segundo e último dia da cimeira da NATO, na Lituânia.

A+ / A-

O presidente ucraniano mostra-se determinado em assegurar condições para a Ucrânia aderir à NATO.

Numa declaração aos jornalistas, esta quarta-feira de manhã, à chegada à cimeira da Aliança em Vilnius, o presidente ucraniano pediu aos parceiros uma posição comum quanto a uma futura entrada na NATO.

“Queremos estar alinhados com todos sobre a adesão”, afirmou, acrescentando entender “que teremos esse convite quando as condições de segurança o permitirem”.

Zelensky garantiu ainda discutir essa matéria “com os nossos parceiros” e que vão “lutar pelas condições de segurança para que possamos depois entrar na NATO”.

Nestas declarações aos jornalistas, Zelensky traçou também o objetivo de garantir mais apoio militar para a Ucrânia.

A Cimeira da NATO termina esta quarta-feira em Vilnius, na Lituânia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    12 jul, 2023 Lisboa 10:08
    O pior que Zelensky podia fazer era "amuar" por não ter tido o tal calendário de adesão. Não saiu de mãos vazias: traz material de guerra, misseis de médio alcance que cobrem todo o território ucraniano ocupado pela Rússia, Crimeia incluída, garantias de ajuda e segurança, e um conselho NATO-Ucrânia que é uma antecâmara da entrada mais rápida da Ucrânia na NATO e sobretudo um mostrar à Rússia que a tagarelice ameaçadora dela - III guerra, armas nucleares, vamos reagir de igual modo, etc - já não convence nem assusta ninguém.

Destaques V+