A+ / A-

Cimeira da NATO vai acolher proposta portuguesa sobre flanco sul

11 jul, 2023 - 11:53 • Olímpia Mairos , com Lusa

“Tudo o que podia ser complicado está resolvido”. Convicção do primeiro-ministro, partilhada em Vilnius, à chegada à Cimeira da NATO.

A+ / A-

O primeiro-ministro anunciou esta terça-feira que os Estados-membros da NATO concordaram incluir nas conclusões da cimeira a proposta portuguesa que alerta para uma maior atenção da Aliança Atlântica ao flanco sul, nomeadamente o continente africano.

“Esta é uma cimeira que começa com três boas notícias, em primeiro lugar o facto de se terem levantado os obstáculos para […] a entrada da Suécia, em segundo lugar porque o comunicado final aceitou uma proposta de Portugal para darmos uma atenção muito significativa a todo o flanco sul”, sustentou António Costa, em declarações aos jornalistas a poucos minutos do início da Cimeira da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), em Vílnius, na Lituânia.

A última “boa notícia” é, na opinião do primeiro-ministro, a “unidade de todos no apoio à Ucrânia no seu combate na defesa pelo direito internacional”.

A introdução desta proposta vai permitir que os 31 países que integram a NATO façam uma avaliação “das ameaças e das oportunidades de parceria” no flanco sul, em particular com o Médio Oriente, o Sahel, o Norte de África, mostrando que “não ignoram a necessidade de desenvolver outras parceiras e estabelecer outras oportunidades de cooperação”.

“Isso era algo que nos preocupava bastante, insistimos bastante e está agora no comunicado final”, acrescentou.

O objetivo é que a NATO faça uma reflexão sobre o assunto e que apresente diretrizes na cimeira do próximo ano, em Washington.

“Era difícil podermos começar melhor esta cimeira, agora só espero que a cimeira não estrague aquilo começou tão bem”, completou António Costa.

Há vários anos que Portugal tem insistido, junto dos restantes 30 Estados-membros, na necessidade de a Aliança Atlântica olhar para o flanco sul, nomeadamente África, numa altura em que as atenções estão concentradas no flanco leste, por causa da invasão da Rússia à Ucrânia.

O grupo paramilitar Wagner, que era uma das principais forças leais ao Kremlin na guerra na Ucrânia, tem uma forte presença no continente africano e também há grupos considerados terroristas, nomeadamente o Al-Shabaab e milícias filiadas ao autoproclamado Estado Islâmico, em regiões como o Sahel.

Sobre o apoio à Ucrânia persistia a dúvida sobre que linguagem é que os Estados-membros utilizarão para insistir no apoio inequívoco a Kiev e eventual adesão à NATO, sem se comprometerem com um calendário.

António Costa anunciou também que os aliados já chegaram a acordo quanto à linguagem a utilizar e que “muito brevemente será distribuída a versão final”.

Antes das declarações aos jornalistas, durante a manhã, António Costa esteve reunido bilateralmente com o Presidente da Coreia do Sul, Yon Suk-yeol, numa reunião na qual também participaram os ministros dos Negócios Estrangeiros, João Gomes Cravinho, e da Defesa, Helena Carreiras.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    11 jul, 2023 Lisboa 14:49
    Ativem quanto antes, esse contingente de 300 000 soldados para defender a Europa e conter as ambições de invasão russas. E não vão em balelas dos Países que só mamam da segurança que os outros lhes trazem e não têm os tais 2% do PIB consagrado à Defesa - se lhes "dói" fazê-lo, também "dói" a quem já o faz, e se é para estar em segurança à conta de outros, é de lhes exigir contribuição monetária correspondente até perfazer os tais 2%. Sim, estou a falar de nós: ao consagrar esses tais 2% à Defesa que neste momento não existe, pode ser que assim acabem os financiamentos eternos a Elefantes Brancos como Banca, CP, TAP, PPP's Rodoviárias e quejandos e o dinheiro comece a ser aplicado no que deve - serviços públicos e Defesa.

Destaques V+