A+ / A-

Prigozhin está de volta à Rússia, revela presidente bielorrusso

06 jul, 2023 - 09:40 • Cristina Nascimento com Lusa

Líder do Grupo Wagner tinha ido para a Bielorrúsia depois do motim contra Putin no fim do mês de junho.

A+ / A-

O Presidente da Bielorússia Alexander Lukashenko, citado pela agência Reuters, garante que o líder do Grupo Wagner Yevgeny Prigozhin voltou para a Rússia.

Lukashenko adiantou que o líder dos mercenários estaria em São Petersburgo, segunda maior cidade russa.

No entanto, a Reuters admite a hipótese de Prigozhin estar já em Moscovo, depois de ter sido identificado que um jato ligado ao grupo Wagner foi de São Petersburgo para a capital russa. Não há, no entanto, confirmação de que Prigozhin estivesse a bordo do aparelho.

O Grupo Wagner, liderado por Prigozhin, iniciou há quase duas semanas uma rebelião com a captura sem resistência da cidade russa de Rostov, sede do comando sul do Exército, com a intenção de se dirigir a Moscovo para afastar as lideranças militares em resposta a um alegado bombardeamento contra os soldados mercenários na Ucrânia.

Em pleno conflito com o Kremlin e a 200 quilómetros da província de Moscovo, uma coluna militar do Grupo Wagner acabou por bater em retirada, após mediação do Presidente bielorrusso, num acordo para travar a revolta, amnistiar os mercenários e enviar Prigozhin e alguns dos seus homens para o exílio na Bielorrússia.

O grupo Wagner esteve na linha da frente desde o início da invasão, tendo assumido protagonismo na conquista de Bakhmut, na província de Donetsk (leste), na mais longa e sangrenta batalha da guerra da Ucrânia, à custa de elevadas baixas, entre acusações abertas de Prigozhin de falta de apoio militar por parte de Moscovo.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+