Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Guerra

Campo militar para albergar grupo Wagner em construção na Bielorrússia

01 jul, 2023 - 17:25 • Lusa

Lukashenko disse que o seu país, aliado de Moscovo e muito dependente do regime russo, poderia usar a experiência e conhecimento do grupo Wagner e anunciou a oferta aos mercenários de uma "unidade militar abandonada" para montar um campo.

A+ / A-

Imagens de satélite analisadas este sábado pela Associated Press (AP) revelam a construção recente de um campo militar na Bielorrússia e admite-se que possa vir a albergar mercenários do grupo Wagner, adiantou a agência de notícias.

As imagens sugerem que dezenas de tendas foram erguidas ao longo das duas últimas semanas numa antiga base militar nos arredores de Osipovichi, uma cidade a 230 quilómetros a norte da fronteira com a Ucrânia.

Uma fotografia de satélite datada de 15 de junho passado não mostrava qualquer sinal das linhas de estruturas verdes e brancas claramente visíveis em imagens posteriores, de 30 de junho.

O líder do grupo Wagner, Yevgeny Prigozhin, e os seus mercenários evitaram ser processados, negociando uma saída para a Bielorrússia na semana passada, depois de o Presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, ter mediado uma solução para pôr fim à insurreição liderada por Prigozhin, que liderou uma rebelião e conduziu uma coluna militar quase até Moscovo.

Lukashenko disse que o seu país, aliado de Moscovo e muito dependente do regime russo, poderia usar a experiência e conhecimento do grupo Wagner e anunciou a oferta aos mercenários de uma "unidade militar abandonada" para montar um campo.

Aliaksandr Azarau, líder do grupo de guerrilha BYPOL, anti-Lukashenko e composto por antigos militares, disse à AP na quinta-feira, por telefone, que a construção do campo estava a decorrer, próximo de Osipovichi.

Mais de oito mil mercenários do grupo Wagner podem ser colocados na Bielorrússia, disse um porta-voz das força fronteiriça ucraniana ao jornal Ukrainska Pravda. Andriy Demchenko disse que a Ucrânia iria, em resposta, reforçar a fronteira de 1.084 quilómetros com a Bielorrússia.

Já antes Lukashenko tinha autorizado o Kremlin a usar território bielorrusso para enviar tropas e armas para a Ucrânia. Também acolheu uma presença militar contínua da Rússia, com campos militares e exercícios conjuntos, aceitando também receber armas nucleares táticas russas.

Segundo afirmou Demchenko, cerca de 2.000 militares russos continuam estacionados na Bielorrússia.

Na sexta-feira, Lukashenko afirmou que as forças armadas da Bielorrússia beneficiaram de treino dado pelo grupo Wagner e garantiu que os mercenários não representam uma ameaça aos cidadãos.

Também disse "estar certo" que a Bielorrússia não teria de usar as armas nucleares táticas enviadas para o território, e que não teria de se envolver diretamente na guerra contra a Ucrânia.

"Quanto mais vivemos, mais nos convencemos que [as armas nucleares] devem estar connosco, na Bielorrússia, num lugar seguro. E estou certo que nunca teremos de as usar enquanto as tivermos e que o inimigo nunca pisará o nosso solo", disse Lukashenko.

O Grupo Wagner, liderado por Prigozhin, iniciou há uma semana uma rebelião com a captura sem resistência da cidade russa de Rostov, sede do comando sul do Exército, com a intenção de se dirigir a Moscovo para afastar as lideranças militares em resposta a um alegado bombardeamento contra os soldados mercenários na Ucrânia.

Em pleno conflito com o Kremlin e a 200 quilómetros da província de Moscovo, uma coluna militar do Grupo Wagner deu meia-volta, na tarde de sábado passado, após mediação do Presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, num acordo para travar a revolta, amnistiar os mercenários e enviar Prigozhin e alguns dos seus homens para o exílio na Bielorrússia, e oferecendo a outros a possibilidade de serem integrados nas forças regulares da Rússia.

O grupo Wagner esteve na linha da frente desde o início da invasão, tendo assumido protagonismo na conquista de Bakhmut, na província de Donetsk (leste), na mais longa e sangrenta batalha da guerra da Ucrânia, à custa de elevadas baixas, entre acusações abertas de Prigozhin de falta de apoio militar por parte de Moscovo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    02 jul, 2023 Lisboa 10:40
    A ideia parece ser, não só "forçar" a Ucrânia a desviar forças da frente, para proteger a fronteira com a Bielorrússia, como evitar eventuais "estragos" que o grupo Wagner ainda possa fazer na Rússia. Há quem fale na possibilidade de um Raide-relampago sobre Kiev para capturar ou matar Zelenski e colocar um fantoche de Moscovo no seu lugar, única hipótese da Rússia (pensa ela) ainda apanhar a Ucrânia nesta guerra. Mas é altamente duvidoso: para isso acontecer, ou a Ucrânia tinha de estar prestes a ser ocupada por tropas de Moscovo, ou o povo ucraniano e os militares fartos de Zelensky, e nenhuma desta hipóteses se verifica, sem contar que o governo Ucraniano tem previsto esse cenário e caído Zelensky, outro ministro tomava o seu lugar e continuava a luta. Morto, ou afastado Zelensky, um fantoche russo no Poder sem o exército russo a protegê-lo, "caía" da janela mais alta do prédio mais alto de Kiev, logo que desse ordem para o Exército Ucraniano baixar as armas e receber os russos como "amigos". O Grupo Wagner está destinado a "perseguir o dinheiro" e esse ... está em Africa

Destaques V+