Tempo
|
A+ / A-

Guerra na Ucrânia

Rússia eleva nível de segurança em Moscovo após revolta do grupo Wagner

24 jun, 2023 - 00:21 • João Malheiro

Os serviços de segurança russos pedem aos elementos do Grupo Wagner que detenham o seu comandante Yevgeny Prigozhin, que quer "uma marcha por justiça" contra o exército russo.

A+ / A-
Veículos policiais em Moscovo, Rússia Grupo Wagner Foto: Evgenia Novozhenina/Reuters
Veículos policiais em Moscovo, Rússia Grupo Wagner Foto: Evgenia Novozhenina/Reuters

A Rússia elevou o nível de segurança em Moscovo depois do grupo paramilitar Wagner ter convocado uma revolta contra o alto comando militar do país.

Segundo o Kremlin, Vladimir Putin foi informado de todos os acontecimentos e irão ser tomadas medidas para o que os média estatais estão a designar como uma "rebelião armada".

O Grupo Wagner já invadiu o centro da cidade de Rostov, no sudoeste da Rússia, onde também está o líder Prigozhin. A sede das secretas é um dos edifícios que estará sob o controlo das forças do grupo paramilitar.

Nas redes sociais, multiplicam-se vídeos de veículos militares blindados a circular pelas ruas da capital da Rússia. O mesmo se repete em Rostov, cidade russa perto da Ucrânia, numa operação designada como "Fortaleza".

Os serviços de segurança russos pedem aos elementos do Grupo Wagner que detenham o seu comandante Yevgeny Prigozhin, que quer "uma marcha por justiça" contra o exército russo.

A mensagem de Prigozhin foi acompanhada por vídeo com cerca de um minuto, onde se vê uma floresta destruída, alguns focos de incêndio e pelo menos o corpo de um militar.

O Exército russo negou de imediato a realização de ataques contra acampamentos do grupo Wagner.

A CNN relata que o Pentágono está a acompanhar a situação, com uma fonte citada a afirmar que "isto é uma situação real".

No Twitter, o Ministério de Defesa ucraniano publicou apenas: "Estamos a observar".

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+