A+ / A-

Roberta Metsola desafia PCP a ir a Kiev e critica Chega sobre migrações

16 jun, 2023 - 17:22 • Redação com Lusa

“Para milhões de pessoas ainda é mais seguro embarcar e enfrentar a morte. Estamos a falar de pessoas“, disse Roberta Metsola a André Ventura.

A+ / A-

A presidente do Parlamento Europeu pediu esta sexta-feira a André Ventura, líder do Chega, para ponderar posições sobre migrações e desafiou a deputada comunista Paula Santos a falar no Parlamento de Kiev perante os deputados ucranianos.

"Eu decidi falar no Parlamento da Ucrânia no dia 01 de abril de 2022. Peço-lhe (deputada Paula Santos) para que diga o que disse aqui em frente aos deputados ucranianos. Para falar com esses deputados que não falam com as mulheres durante semanas, cujos filhos não podem ir à escola (...). Isto não se trata de ficar sentado à mesa e fazer com que as pessoas negoceiem, isto é sobre fazer com que a Rússia saia da Ucrânia. Nem mais nem menos", disse Metsola dirigindo-se à deputada do PCP.

A líder parlamentar comunista reiterou que "é preciso parar de instigar e alimentar a guerra na Ucrânia e abrir vias de negociação", e considerou que "a UE que mobiliza e disponibiliza milhões de euros para o armamento é a mesma que recusa a valorização dos salários e das pensões".

Sobre os efeitos da guerra na Ucrânia, sobretudo económicos, Metsola acrescentou que é preciso ouvir os jovens afetados pela crise da habitação e os empresários atingidos pela inflação.

Roberta Metsola participou hoje num debate na Assembleia da República que considerou "muito animado" por parte dos deputados dos vários partidos portugueses.

Respondendo diretamente ao líder do Chega sobre os casos de alegada corrupção na UE, Metsola disse que é preciso encarar e analisar o problema, mas sublinhou que se devem evitar generalizações.

"Vimos o que aconteceu e vimos o que podemos fazer melhor, mas temos de ser um Parlamento que não é empurrado para um canto por aqueles que querem destruir o projeto europeu, por causa de alegadas ações praticadas por alguns", disse Roberta Metsola. .

Referindo-se às críticas de André Ventura sobre as políticas migratórias da UE, Metsola recordou que em 2022 assinalam-se dez anos sobre a maior crise no Mediterrâneo, urgindo o deputado a ponderar as posições.

"Eu venho de uma ilha (Malta) que está no centro do problema. Sabe o que dissemos há dez anos? Dissemos: "Nunca Mais". Finalmente temos, entre os Estados membros, meios de seguir em frente. O senhor [André Ventura] pode dizer "nem pensar" mas o que eu lhe peço é que se sente à mesa e vote por um pacto que também olha pela proteção das fronteiras, porque há países mais pressionados que outros", disse Metsola.

"Não se esqueça disto: para milhões de pessoas ainda é mais seguro embarcar e enfrentar a morte (...) Estamos a falar de pessoas", declarou a presidente do Parlamento Europeu, dirigindo-se a Ventura. .

Roberta Metsola, natural de Malta, agradeceu aos deputados portugueses a menção à jornalista maltesa Daphne Caruana Galizia assassinada em 2017.

"Nenhum jornalista deve ser morto por fazer o seu trabalho, só porque estava a investigar a verdade. Não quero que isto aconteça nem na Europa nem no meu país", disse.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+