Tempo
|
A+ / A-

Banco UBS finaliza compra do Credit Suisse

12 jun, 2023 - 09:21

O chefe do UBS avisou que os próximos meses “seriam provavelmente turbulentos”, uma vez que a integração levará “a ondas” de decisões difíceis, particularmente no que diz respeito ao emprego.

A+ / A-

O UBS vai poder iniciar a integração do Credit Suisse depois de ter concluído, esta segunda-feira, a compra do rival, tarefa que será acompanhada de perto por clientes, empregados e líderes políticos e económicos suíços.

“Concluímos a aquisição legal do Credit Suisse”, declarou o principal banco suíço, numa carta aberta publicada em vários jornais. A nova entidade inicia “um novo capítulo histórico”. A aquisição cria um megabanco como a Suíça nunca viu.

Uma dimensão que preocupa os políticos. Só na Suíça, milhares de postos de trabalho podem ser perdidos devido à duplicação de tarefas.

Na sexta-feira, o chefe do UBS, Sergio Ermotti, avisou que os próximos meses “seriam provavelmente turbulentos”, uma vez que a integração levará “a ondas” de decisões difíceis, particularmente no que diz respeito ao emprego.

Para evitar a falência do segundo maior banco suíço, o UBS aceitou, a 19 de março, comprar o Credit Suisse, sob pressão das autoridades, por três mil milhões de francos suíços (o equivalente em euros).

O segundo maior banco do país não tinha resistido à perda de confiança, na sequência de vários escândalos de grandes dimensões e de uma má gestão dos riscos.

A formalização desta união abre um grande projeto para o UBS, que, na carta aberta, sublinhou a forte cultura empresarial e a abordagem conservadora do risco, deixando claro que não fará “quaisquer compromissos”.

As duas instituições contam atualmente com 120 mil trabalhadores em todo o mundo, 37 mil dos quais na Suíça.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+