Tempo
|
A+ / A-

Guerra na Ucrânia

Erdogan propõe investigação internacional sobre ataque a barragem ucraniana

07 jun, 2023 - 16:10 • Redação, com Lusa

O Presidente turco esteve à conversa com Kiev e Moscovo sobre a explosão na barragem de Kakhovka. Ucrânia diz que centenas de milhares de pessoas ficaram sem água potável.

A+ / A-
Barragem de Kakhovka destruída no sul da Ucrânia  Foto: Maxar Technologies Handout/EPA
Barragem de Kakhovka destruída no sul da Ucrânia Foto: Maxar Technologies Handout/EPA
Pessoas e animais tiveram de ser evacuadas Foto: Mykola Tymchenko/EPA
Pessoas e animais tiveram de ser evacuadas Foto: Mykola Tymchenko/EPA
Travessia de barco também foi realizada devido às inundações Foto: Mykola Tymchenko/EPA
Travessia de barco também foi realizada devido às inundações Foto: Mykola Tymchenko/EPA
Autoridades apoiam locais Foto: Mykola Tymchenko/EPA
Autoridades apoiam locais Foto: Mykola Tymchenko/EPA

O Presidente turco, Tayyip Erdogan, propõe uma investigação internacional ao ataque contra a barragem ucraniana de Kakhovka.

Numa conversa telefónica com o chefe de Estado ucraniano, Volodymyr Zelensky, "o Presidente Erdogan declarou que poderia ser criada uma comissão com a participação de especialistas das partes beligerantes, das Nações Unidas e da comunidade internacional, Turquia incluída", anunciou a Presidência turca em comunicado.

Esta comissão teria por missão realizar uma "investigação aprofundada sobre a destruição da barragem de Kakhovka", acrescentou ainda a Presidência daquele país.

Também Zelensky indicou ter hoje conversado com Erdogan sobre "as consequências humanitárias e ambientais" das inundações causadas no sul do território ucraniano pela destruição da barragem.

"Falámos das consequências humanitárias e ambientais do ato terrorista russo contra a central hidroelétrica de Kakhovka, incluindo dos riscos para a central nuclear de Zaporijia", escreveu Zelensky na rede social Twitter, acrescentando "ter apresentado" ao homólogo turco "uma lista das necessidades urgentes para lidar com a catástrofe".

O Presidente turco falou em seguida, com o homólogo russo, Vladimir Putin, dizendo-lhe desejar que o inquérito internacional permita "dissipar quaisquer suspeitas".

A destruição da barragem de Kakhovka desencadeou uma saída abrupta de torrentes de água no caudal do rio Dnipro, obrigando vários milhares de pessoas a retirarem-se das suas casas e a abandonar as zonas inundadas, na região de Kherson.

A explosão na barragem de Kakhovka já inundou 29 cidades e aldeias na Ucrânia, avança o Governo de Kiev.

O Presidente ucraniano adianta que centenas de milhares de pessoas ficaram sem água potável.

Responsáveis ucranianos referem que 42 mil pessoas estão na zona de risco de cheias.

A Ucrânia e a Rússia têm trocado acusações sobre a autoria da explosão na barragem.

A invasão russa na Ucrânia, iniciada em fevereiro de 2022 já causou até agora a fuga de mais de 14,7 milhões de pessoas referem os dados fornecidos pela ONU. A organização afirmou ainda que o número de mortes é de 8983 civis mortos e 15.442 feridos, porém, números que devem estar longe da realidade.

Tanto a Ucrânia como a Rússia rejeitam a responsabilidade do ataque à barragem e central hidroelétrica de Kakhovka, barragem esta que fornece água à Crimeia, península ucraniana anexada pela Rússia em 2014.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    09 jun, 2023 Lisboa 08:34
    Desbloqueia mas é a entrada da Suécia na NATO e deixa-te de chantagens dilatórias.

Destaques V+