A+ / A-

China pede à Austrália mais esforços de busca por tripulantes de barco chinês

18 mai, 2023 - 09:00 • Lusa

Operação internacional de busca e resgate está em andamento, para localizar os 39 tripulantes desaparecidos. Não há informações sobre a causa do naufrágio

A+ / A-

A China pediu esta quinta-feira à Austrália que envie mais aviões, navios e equipas de resgate para encontrar os 39 tripulantes de um barco de pesca chinês que afundou no Oceano Índico, na terça-feira.

A embarcação Lu Peng Yuan Yu 028 afundou por volta das 3h00 de terça-feira (20h00 de segunda-feira, em Lisboa), segundo a cadeia televisiva CCTV. A bordo estavam 17 chineses, 17 indonésios e cinco filipinos.

"Até ao momento, nenhum membro da tripulação foi encontrado vivo", disse o embaixador chinês em Camberra, Xiao Qian, em conferência de imprensa.

Uma operação internacional de busca e resgate está em andamento, para localizar os 39 tripulantes desaparecidos.

Xiao disse que a Austrália enviou três aviões e quatro navios para participar nas operações de busca na área do naufrágio, localizada a 5.000 quilómetros a oeste de Perth (sudoeste).

"Queremos que enviem mais aviões, mais navios e mais pessoal para esta área", insistiu.

Pequim enviou dois navios comerciais para participar das operações de busca, segundo a CCTV.

O embaixador também pediu ao governo australiano que realize as operações de busca em coordenação com equipas de resgate de outros países próximos ao local do naufrágio.

A embarcação era propriedade da Penglai Jinglu Fishery, uma empresa de pesca chinesa, e estava licenciada para pescar lulas e sardinhas no Pacífico, segundo dados da Comissão de Pesca do Pacífico Norte.

Acredita-se que a China opere a maior frota pesqueira do mundo. Muitas embarcações permanecem no mar durante meses ou mesmo anos seguidos, apoiados por agências estatais de segurança marítima chinesas e uma extensa rede de embarcações de apoio.

Não há informações sobre a causa do naufrágio.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+