A+ / A-

Zaporijia. AIEA "extremamente" preocupada com segurança de central nuclear

07 mai, 2023 - 12:04 • Lusa

A central nuclear situa-se perto da linha de frente dos combates, na Ucrânia.

A+ / A-

O diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) revelou crescente preocupação sobre a segurança da central nuclear de Zaporijia, no sudeste da Ucrânia, considerando que a situação está a tornar-se potencialmente perigosa.

"A situação na área perto da central nuclear de Zaporijia está a tornar-se cada vez mais imprevisível e potencialmente perigosa", disse o diretor-geral AIEA, Rafael Grossi, num alerta este sábado, antes do último relatório de ataques, de acordo com a agência Associated Press (AP).

As preocupações do responsável do órgão de vigilância nuclear das Nações Unidas agravaram-se depois de na sexta-feira o governador da área ocupada pela Rússia, Yevgeny Balitsky, ter ordenado a retirada de civis daquela região.

Rafael Grossi salientou estar "extremamente preocupado com a segurança nuclear" e "os riscos de proteção enfrentados pela central".

A central nuclear situa-se perto da linha de frente dos combates e as autoridades ucranianas indicaram que uma mulher de 72 anos foi morta e outras três ficaram feridas quando as forças russas dispararam mais de 30 projéteis em Nikopol, cidade ucraniana próxima da central.

De acordo com uma atualização publicada no Facebook, o Estado-Maior disse que os primeiros civis deslocados tinham obtido a cidadania russa depois de Moscovo ter conquistado a cidade no início da guerra, estando a ser dirigidos para a costa do mar de Azov, ocupada pela Rússia, a cerca de 200 quilómetros a sudeste.

O diretor-geral AIEA assinalou que os especialistas da agência em Zaporijia "continuam a ouvir bombardeamentos regularmente".

"Devemos agir agora para prevenir a ameaça de um grave acidente nuclear e as suas consequências para a população e para o meio ambiente", disse Grossi, acrescentando que a central "deve ser protegida" e garantindo que irá continuar "a pressionar por um compromisso de todos os lados para alcançar este objetivo vital".

A Rússia tem bombardeado regularmente, desde outubro, as principais instalações de energia da Ucrânia com mísseis e 'drones', pelo que milhões de pessoas têm vivido sem luz nem aquecimento.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+