Tempo
|
A+ / A-

Escritor e apoiante de Putin ferido em atentado atribuído à Ucrânia

06 mai, 2023 - 13:09 • Lusa

Prontamente, a Rússia acusou os Estados Unidos, a NATO e a Ucrânia de planearem um atentado "terrorista".

A+ / A-

O carro de um destacado escritor pró-Kremlin explodiu este sábado na Rússia, ferindo-o e matando o seu condutor, indicou a agência noticiosa estatal russa Tass, citando funcionários dos serviços de emergência e da polícia.

Segundo a agência AP, que se baseia na informação da Tass, a incidente que envolveu o carro de Zakhar Prilepin, um conhecido escritor nacionalista e fervoroso apoiante daquilo a que o Kremlin chama uma "operação militar especial" na Ucrânia, ocorreu na região de Nizhny Novgorod, cerca de 400 quilómetros a leste de Moscovo.

Prontamente, a Rússia acusou os Estados Unidos, a NATO e a Ucrânia de planearem um atentado "terrorista" contra o escritor nacionalista Zakhar Prilepin.

"Washington, juntamente com a NATO, alimentou uma nova célula do terrorismo internacional: o regime de Kiev", reagiu a porta-voz da diplomacia russa, Maria Zakharova, através do Telegram.

"Responsabilidade direta dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha. Rezamos por Zakhar", acrescentou a porta-voz.

Esta foi a terceira explosão envolvendo figuras proeminentes pró-Kremlin desde o início da guerra na Ucrânia.

Em agosto de 2022, um atentado à bomba nos arredores de Moscovo matou Daria Dugina, filha de um influente teórico e pensador político russo frequentemente referido como "o cérebro de Putin". As autoridades alegaram que a Ucrânia estava por detrás da explosão.

No mês passado, uma explosão num café em São Petersburgo matou um popular bloguista militar, Vladlen Tatarsky . As autoridades culparam mais uma vez os serviços secretos ucranianos pela sua orquestração.

A Tass citou os porta-vozes de Prilepin para dizer que ele estava "bem". Não foram fornecidos pormenores sobre a extensão dos ferimentos.

A agência noticiosa russa RBC noticiou, citando fontes não identificadas, que hoje Prilepin regressava a Moscovo vindo das regiões ucranianas parcialmente ocupadas de Donetsk e Luhansk e parou na região de Nizhny Novogorod para uma refeição.

A polícia está a investigar o incidente, adianta o relatório.

Prilepin tornou-se apoiante do Presidente russo, Vladimir Putin, em 2014, depois de Putin ter anexado ilegalmente a península da Crimeia. Esteve envolvido no conflito no leste da Ucrânia, ao lado dos separatistas apoiados pela Rússia. No ano passado, foi sancionado pela União Europeia pelo seu apoio à invasão total da Ucrânia pela Rússia.

Em 2020, fundou um partido político, "For the Truth" (Pela Verdade), que os meios de comunicação social russos noticiaram ser apoiado pelo Kremlin. Um ano mais tarde, o partido de Prilepin fundiu-se com o partido nacionalista "Uma Rússia Justa", que tem assentos no parlamento.

Copresidente do partido recém-formado, Prilepin ganhou um lugar na Duma, a Câmara Baixa do parlamento russo, nas eleições de 2021, mas desistiu.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+