Tempo
|
A+ / A-

Israelitas bloqueiam estradas em protesto contra plano jurídico de Netanyahu

04 mai, 2023 - 14:12 • Lusa

Dezenas de manifestantes com bandeiras israelitas bloquearam as principais estradas e cruzamentos no litoral de Telavive e reuniram-se junto das casas do Presidente e do ministro da Segurança Nacional.

A+ / A-

As manifestações e bloqueios de estradas regressaram esta quinta-feira a Israel, contra um plano do Governo para reformar o sistema judiciário, para aumentar a pressão sobre o Parlamento depois do primeiro-ministro ter interrompido as reformas durante um mês.

O primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, interrompeu a reforma em março de 2023 depois da pressão feita pela população, e os lados opostos do Parlamento estão a tentar chegar a um acordo de compromisso.

Dezenas de manifestantes com bandeiras israelitas bloquearam as principais estradas e cruzamentos no litoral de Telavive e reuniram-se junto das casas do Presidente e do ministro da Segurança Nacional do país.

Os líderes do protesto classificaram o protesto como um apelo à igualdade, expandindo as críticas ao aumento do custo de vida em Israel e às isenções de alistamento militar concedidas aos judeus ortodoxos.

Os manifestantes pintaram de branco uma poça de água na praça do Teatro Nacional de Israel, para simbolizar o recente aumento do preço do leite.

A polícia disse aos meios de comunicação do país que um manifestante foi preso por causar distúrbios.

O plano para reformar o sistema judiciário do país mergulhou Israel numa das piores crises internas da história do país.

Ainda que o congelamento da legislação tenha aliviado as tensões, os aliados de Netanyahu pressionam o primeiro-ministro a avançar com a reforma.

Os defensores do plano, que limitaria a supervisão judicial da legislação e das decisões do Governo, acreditam que é necessário controlar o “tribunal intervencionista” e restaurar o poder aos legisladores eleitos.

Os opositores acreditam que a reforma perturbaria o sistema delicado do país e colocaria em risco os seus fundamentos democráticos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+