A+ / A-

Cerca de 6.000 pessoas fogem do Sudão para a República Centro-Africana

30 abr, 2023 - 23:37 • Lusa

Com os confrontos, o comércio entre o Sudão e a República Centro-Africana foi perturbado, fazendo aumentar o preço de bens de primeira necessidade.

A+ / A-

Cerca de seis mil pessoas, a maioria mulheres, fugiram do Sudão para a República Centro-Africana, após duas semanas de confrontos entre Exército e paramilitares, atualizou hoje a ONU à agência noticiosa AFP.

A República Centro-Africana, um dos países mais pobres do mundo e em guerra civil há vários anos, partilha uma fronteira como o Sudão na província de Vakaga.

Na quinta-feira, a ONU anunciara que cerca de três mil pessoas tinham entrado na República Centro-Africana e viviam em acampamentos perto da localidade fronteiriça de Am-Dafock.

Com os confrontos, o comércio entre o Sudão e a República Centro-Africana foi perturbado, fazendo aumentar o preço de bens de primeira necessidade.

O Sudão entrou hoje no 16º dia consecutivo de guerra entre o Exército e o grupo paramilitar Força de Apoio Rápido.

O conflito já provocou cerca de 530 mortos e quase 4.600 feridos e levou à fuga de milhares de sudaneses para zonas do país mais seguras ou para nações vizinhas e à retirada de cidadãos estrangeiros, incluindo 20 portugueses.

Violentos confrontos prosseguiam hoje na capital sudanesa, Cartum, ao mesmo tempo que Exército e paramilitares anunciavam a prorrogação por mais três dias de um cessar-fogo pouco respeitado, mas que permitiu a retirada de estrangeiros e a continuação de negociações.

O conflito segue-se a semanas de tensão sobre a reforma das forças de segurança nas negociações para a formação de um novo Governo de transição.

Tanto o Exército como a Força de Apoio Rápido estiveram por detrás do golpe de Estado que derrubou o Governo de transição do Sudão em outubro de 2021.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+