Tempo
|
A+ / A-

Brasil

Lula condena invasão da Ucrânia após críticas de EUA e UE

18 abr, 2023 - 21:29

Presidente do Brasil insiste que existe uma "necessidade urgente" de um grupo de países ajudar a trazer a Rússia e a Ucrânia para a mesa das negociações de paz.

A+ / A-

O Presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, sublinhou, esta terça-feira, que condena a invasão russa da Ucrânia, ao mesmo tempo que defende a paz, depois de ter sido criticado pelos Estados Unidos da América e pela União Europeia pelas suas declarações.

"Ao mesmo tempo em que o meu governo condena a violação da integridade territorial da Ucrânia, defendemos uma solução política negociada. Falei da nossa preocupação com os efeitos da guerra, que extrapolam o continente europeu", disse Lula da Silva, após uma reunião com o Presidente da Roménia, Klaus Iohannis, no Palácio do Planalto, em Brasília, citado na imprensa local.

Depois de ter oferecido um almoço ao chefe de Estado romeno, um país da NATO, da União Europeia e que fez parte da União Soviética, o Presidente brasileiro garantiu ter ouvido "com muito interesse as considerações do Presidente Iohannis sobre a guerra na Ucrânia, país com o qual a Roménia compartilha mais de 600 quilómetros de fronteira".

Lula da Silva insistiu que existe uma "necessidade urgente" de um grupo de países ajudar a trazer a Rússia e a Ucrânia para a mesa das negociações de paz.

Na segunda-feira, os porta-vozes dos EUA e da UE criticaram Lula da Silva por dizer que os membros da NATO estão a ajudar a prolongar a guerra.

O mais enfático foi o porta-voz da Casa Branca, John Kirby, que acusou Lula da Silva de "papaguear" propaganda russa e chinesa sobre a guerra na Ucrânia sem ter parado para estudar "os factos".

"É profundamente problemática a forma como o Brasil abordou esta questão, tanto substantiva como retórica, ao sugerir que os Estados Unidos e a Europa não estão de alguma forma interessados na paz ou que partilham a responsabilidade pela guerra", disse Kirby.

O conselheiro de Lula da Silva para os assuntos internacionais, Celso Amorim, rejeitou hoje as declarações do porta-voz da Casa Branca, considerando-as como "absurdas".

Numa entrevista à televisão Globonews, Amorim salientou que o Brasil tem mantido historicamente uma posição de não-alinhamento com os poderes, o que não deve ser confundido com neutralidade.

No entanto, manteve as suas críticas aos aliados da NATO por armarem a Ucrânia e darem-lhe "falsas esperanças" de poder derrotar a Rússia no campo de batalha.

Lula da Silva recebeu na segunda-feira o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Lavrov, no início da sua visita à América Latina.

Na semana passada, durante a sua viagem à China e aos Emirados Árabes Unidos, Lula da Silva disse que os EUA deveriam deixar de "encorajar" a guerra e "começar a falar de paz", tal como a União Europeia, e insistiu em apontar-lhes o dedo por "contribuírem" para a continuação da guerra, enviando armas ao Governo ucraniano.

O Brasil condenou a invasão da Ucrânia na ONU, mas também se alinhou com as posições da Rússia, votando a favor de uma investigação sobre o ataque ao gasoduto Nordstream em setembro passado.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Joaquim Correto
    19 abr, 2023 Paços 08:20
    "condena invasão da Ucrânia", mas continua a afirmar (e bem) que os EUA e a UE estão a alimentar a guerra!
  • Cidadao
    18 abr, 2023 Lisboa 22:20
    É da cachaça, com certeza. Ou então a "prisa" fez-lhe mal à tola. Mas ele imagina nos delírios cachacistas dele que a Ucrânia, a UE e os EUA não querem a Paz? O que eles não querem é a "Paz de Moscovo" que significa abocanhar um pedaço de território ucraniano do tamanho de metade da Itália, e ainda fazerem exigências de retirada da NATO para as fronteiras de 1997, a Ucrânia desmilitarizada - depois de ser invadida, ficar sem Forças Armadas deve ser, deve... - e fora da NATO, e o levantamento de sanções e aí a Rússia já oferece a "Paz". Uma "Paz" que a Ucrânia manda a Rússia meter, sabem onde ... E a Lula, eu aconselhava, além de cortar na cachaça, que deixasse as conversas de política externa para o ministro encarregue dessa pasta

Destaques V+