Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Liga Árabe oferece-se para mediar conflito no Sudão

15 abr, 2023 - 16:27 • Redação com Lusa

Ahmed Aboul Gheit condenou o "recurso às armas e aos confrontos" e disse estar pronto a intervir com as partes para pôr fim aos combates.

A+ / A-

A Liga Árabe ofereceu-se, este sábado, para intervir no conflito em curso no Sudão como mediadora e vários países árabes manifestaram-se preocupados com os confrontos armados entre o exército sudanês e paramilitares em Cartum.

O secretário-geral da Liga Árabe, Ahmed Aboul Gheit, apelou para o fim "imediato da escalada da violência e do derramamento de sangue" no Sudão, num comunicado citado pela agência espanhola EFE.

O diplomata egípcio condenou o "recurso às armas e aos confrontos" e disse estar pronto a intervir com as partes para pôr fim aos combates.

Lamentou ainda que os confrontos armados tivessem eclodido "durante o dia do mês santo do Ramadão" e apelou para a "responsabilidade das partes beligerantes em manter a segurança dos civis".

Com sede no Cairo, a Liga Árabe tem 22 membros, incluindo o Sudão.

Os confrontos começaram esta manhã, em Cartum e noutras áreas do país, entre o exército e o grupo paramilitar Forças de Apoio Rápido (RSF, na sigla em inglês).

A situação motivou reações de vários países árabes, com a Arábia Saudita a apelar aos políticos sudaneses para "darem prioridade à linguagem de diálogo, moderação e sabedoria".

Riade pediu às partes que completem o consenso alcançado com o acordo-quadro para a transição democrática, "sob o qual a estabilidade política, a recuperação económica e a prosperidade serão alcançadas para o Sudão".

Também em comunicado, o Egito disse seguir com preocupação a situação no Sudão e apelou a todas as partes para exercerem "a máxima contenção a fim de proteger vidas" e "defender os interesses superiores da pátria".

O Qatar expressou igualmente "profunda preocupação" e pediu "a cessação imediata dos combates e a resolução de disputas através do diálogo e de meios pacíficos".

As RSF anunciaram que tomaram o controlo do Palácio Presidencial de Cartum, mas as forças armadas negaram a informação.

Os paramilitares são liderados pelo vice-presidente do Conselho Soberano e número dois do Exército, Mohamed Hamdan Dagalo, também conhecido por "Hemedti".

O Sudão, com mais de 49 milhões de habitantes, situa-se no nordeste do continente africano, junto ao Mar Vermelho, que separa o país da Arábia Saudita.

Tem fronteiras terrestres com Egito, Eritreia, Líbia, Chade, República Centro-Africana e Sudão do Sul.

Independente do Reino Unido em 1956, o país foi dividido em dois em 2011, com a secessão do Sudão do Sul

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+