A+ / A-

Tanques Leopard portugueses já estão na Ucrânia

27 mar, 2023 - 19:17 • Anabela Góis

Os taques de combate foram entregues juntamente com as 15 viaturas fornecidas pela Alemanha, como estava previsto.

A+ / A-

Os três blindados Leopard portugueses já chegaram à Ucrânia para ajudar no esforço de guerra contra a Rússia.

Os taques de combate foram entregues juntamente com as 15 viaturas fornecidas pela Alemanha, como estava previsto.

A informação é confirmada à Renascença pelo Ministério da Defesa, que não revela quando nem como chegaram, por razões de segurança.

No final de fevereiro, a ministra da Defesa Nacional anunciou que, com o envio dos três tanques Leopard 2 para a Ucrânia em março, a ajuda de Portugal a este país vai chegar às 712 toneladas de material letal e não letal.

"Este novo apoio elevará o material, letal e não letal, que fornecemos até à data para 712 toneladas, com base num esforço de coordenação transversal, seja através do Mecanismo Europeu de Apoio à Paz, seja no âmbito dos contactos que têm tido lugar no seio do "Ukraine Defence Contact Group" [Grupo de Contacto para a Defesa da Ucrânia]", afirmou Helena Carreiras.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    29 mar, 2023 Lisboa 07:32
    Não temos nada, nem defesa anti-aérea contra misseis e drones, nem Marinha a navegar, Força aérea a voar, ou exército capaz. Mas a dar o pouco que ainda está operacional, somos rápidos. A linha da Frente é na Ucrânia que está a lutar para que nós não tenhamos que o fazer. Mas além de dar o pouco que temos, que tal a ministra deixar de andar a passear os óculos por colóquios e distribuições de prémios sobre a ideologia de género e o "papel das mulheres nas Forças Armadas(?)" e descativar as verbas necessárias para ao menos reparar o material "encostado"?

Destaques V+