A+ / A-

ONU denuncia degradação da situação humanitária em Bakhmut e arredores

22 mar, 2023 - 00:30 • Lusa

O OCHA sublinha que apesar das enormes dificuldades, as autoridades locais, grupos de voluntários, as Nações Unidas e parceiros humanitários estão a promover "todos os esforços para apoiar as pessoas dependentes de necessidades básicas para a sua sobrevivência em Bakhmut e áreas circundantes".

A+ / A-

Os bombardeamentos e combates na cidade de Bakhmut e arredores, leste da Ucrânia, estão a intensificar-se com elevado custo para os civis que permanecem na região, indicou esta terça-feira o Gabinete das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA).

Em comunicado, o organismo da ONU indica que cerca de 3.000 civis permanecem na cidade -- que possuía 72.000 habitantes antes do início da guerra --, submetidos a constantes bombardeamentos desde que a localidade se tornou em meados de fevereiro numa das zonas mais intensas do conflito, e necessitando de urgente ajuda humanitária.

"Devido às constantes ameaças relacionadas com as hostilidades em curso, os residentes passam a maior parte do tempo em caves para se protegerem dos combates, e praticamente sem acesso a serviços essenciais. Escolas, hospitais e mercados não funcionam e a cidade não tem fornecimento de água, eletricidade e gás", indica o comunicado.

O OCHA sublinha que apesar das enormes dificuldades, as autoridades locais, grupos de voluntários, as Nações Unidas e parceiros humanitários estão a promover "todos os esforços para apoiar as pessoas dependentes de necessidades básicas para a sua sobrevivência em Bakhmut e áreas circundantes".

A estrutura da ONU também recorda que, desde o início de 2023, as Nações Unidas e parceiros enviaram fornecimentos de ajuda humanitária, incluindo alimentação, água e medicamentos para as cerca de 7.000 pessoas que permanecem em Bakhmut e áreas circundantes.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+