A+ / A-

Guerra na Ucrânia

Zelensky "aguarda resposta" da China para dialogar

21 mar, 2023 - 19:48 • Lusa

Presidente chinês, Xi Jinping, está em visita a Moscovo para discutir um plano de paz para a guerra na Ucrânia, mas ainda não respondeu "nada de concreto" ao convite do presidente ucraniano para que a China "se torne num parceiro".

A+ / A-

O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, saudou esta terça-feira a visita a Kiev do primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, um "poderoso defensor da ordem internacional" e disse aguardar "uma resposta da China" para um diálogo sobre o conflito na Ucrânia.

"Estou feliz por acolher em Kiev o primeiro-ministro japonês Fumio Kishida, um defensor verdadeiramente potente da ordem internacional e um amigo de longa data da Ucrânia", declarou em mensagem no Telegram após um encontro entre os dois dirigentes.

Pouco depois, e no decurso de uma conferência de imprensa, Zelensky anunciou ter "convidado" a China a dialogar e disse "aguardar uma resposta", num momento em que o seu homólogo chinês está em Moscovo para reforçar a sua aliança com o líder russo Vladimir Putin.

"Propusemos à China que se torne num parceiro" para a busca de uma solução do conflito na Ucrânia, indicou Zelensky. "Convidamo-lo ao diálogo, aguardamos a vossa resposta", acrescentou, ao indicar que até ao momento "recebeu sinais, mas nada de concreto".

O Presidente ucraniano também anunciou que vai participar, através de videoconferência, na cimeira do G7 prevista para maio em Hiroxima, no Japão. "Aceitei o convite (...) e participarei na cimeira do G7 em Hiroxima num formato 'on line'", declarou Zelensky no decurso da conferência de imprensa conjunta com Fumio Kishida.

Em Bruxelas, o secretário-geral da NATO considerou ainda esta terça-feira que a China tem de dialogar diretamente com o Presidente da Ucrânia para, de facto, construir um acordo de paz duradouro, reconhecendo pontos positivos no plano de Pequim.

"A Ucrânia é que tem de decidir o que são condições aceitáveis para uma resolução pacífica" da invasão que a Federação Russa iniciou há um ano, sustentou Jens Stoltenberg, em conferência de imprensa no quartel-general da Organização do Tratados do Atlântico Norte (NATO), em Bruxelas, na Bélgica.

Questionado sobre a visita do Presidente da República Popular da China, Xi Jinping, a Moscovo para uma reunião com o homólogo russo, Vladimir Putin, e a consideração por parte do Kremlin do plano de paz que Pequim apresentou, Stoltenberg considerou que primeiro a "China tem de perceber a perspetiva ucraniana e falar com o Presidente Zelensky se, de facto, está comprometida com a paz".

"É preciso lembrar que a China ainda não condenou a agressão russa", completou Stoltenberg.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro de 2022 pela Rússia na Ucrânia causou até agora a fuga de mais de 14,6 milhões de pessoas -- 6,5 milhões de deslocados internos e mais de 8,1 milhões para países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Neste momento, pelo menos 18 milhões de ucranianos precisam de ajuda humanitária e 9,3 milhões necessitam de ajuda alimentar e alojamento.

A invasão russa - justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de "desnazificar" e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia - foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 8.317 civis mortos e 13.892 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+