Tempo
|
A+ / A-

"Europa não pode ficar à espera do próximo naufrágio de migrantes", diz Meloni

21 mar, 2023 - 13:41 • Lusa

Primeira-ministra italiana diz que, antes do direito a emigrar, "todo o ser humano deve ter o direito de não ser forçado a migrar em busca de uma vida melhor".

A+ / A-

A primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni, defendeu esta terça-feira uma maior ação da Europa para travar a chegada de migrantes e advertiu para novos naufrágios idênticos ao de 26 de fevereiro na Calábria, em que morreram pelo menos 87 pessoas.

"Após o desastre em Cutro [na Calábria, sul de Itália], escrevi aos presidentes da Comissão Europeia e do Conselho da Europa para reiterar que não se pode esperar mais", afirmou Meloni.

"Não podemos continuar impotentes à espera do próximo naufrágio, perigo que, insisto, é causado por travessias organizadas por traficantes de pessoas sem escrúpulos. As fronteiras da Itália são as fronteiras da Europa"", acrescentou.

Meloni sublinhou que um dos caminhos passa por encontrar formas de impedir que os migrantes e os refugiados sejam forçados a tentar chegar à Europa em primeiro lugar.

"Antes do hipotético direito de emigrar, todo o ser humano deve ter o direito de não ser forçado a migrar em busca de uma vida melhor. Este é precisamente o aspeto que a Europa e o Ocidente negligenciaram culposamente nos últimos anos", defendeu.

Meloni lembrou que o Governo italiano conseguiu colocar o tema da migração no topo da agenda da cimeira extraordinária do Conselho Europeu, realizada em fevereiro.

"Estamos diante de uma emergência que se está a tornar estrutural", frisou.

Meloni também comentou as atividades dos navios de resgate de migrantes realizadas por organizações não-governamentais que operam no Mediterrâneo, sublinhando que os países que ostentam as bandeiras das embarcações devem também envolver-se na gestão dos migrantes resgatados.

"[Os navios de resgate devem operar] não apenas em Itália, que é, geralmente, o país que os navios solicitam para atribuir-lhes um porto seguro devido à posição geográfica italiana", concluiu.

As rotas do Mediterrâneo central provocaram desde 2014 mais de 20.500 mortes, entre as quais cerca de 300 desde o passado mês de janeiro, de acordo com os dados mais recentes da Organização Internacional para as Migrações (OIM).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+