Tempo
|
A+ / A-

Guerra na Ucrânia

Kiev admite retirada militar da cidade de Bakhmut

01 mar, 2023 - 20:04 • Lusa

“Não vamos sacrificar todo o nosso povo para nada.”

A+ / A-

As chefias militares ucranianas poderão decidir retirar as tropas de Bakhmut (leste), admitiu esta quarta-feira um conselheiro do Presidente da Ucrânia, quando as tropas russas prosseguem uma vasta e prolongada ofensiva para capturar a cidade.

“Vamos considerar todas as hipóteses para os nossos militares. Até agora, têm mantido a cidade, mas se for necessário haverá uma retirada estratégica”, disse Alexander Rodnyansky, um conselheiro económico do Presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, citado pela cadeia televisiva norte-americana CNN.

“Não vamos sacrificar todo o nosso povo para nada”, acrescentou.

A batalha por Bakhmut, na província de Donetsk, leste do país tornou-se num símbolo da resistência ucraniana e quando os seus defensores têm resistido ao longo de muitas semanas a constantes bombardeamentos, e com as tropas russas a registaram pesadas baixas na campanha pelo controlo da cidade, segundo diversas fontes ucranianas.

Rodnyansky assegurou que a Rússia está a utilizar as melhores tropas do grupo militar privado Wagner para tentar cercar a cidade. Esta empresa militar é dirigida por Yevgeny Prigozhin, com antigas ligações ao Presidente russo Vladimir Putin.

Hoje, Prigozhin disse não detetar sinais de retirada ucraniana da cidade, e admitiu que Kiev esteja pelo contrário a reforçar as suas posições nesse local.

“O Exército ucraniana está a deslocas tropas adicionais e a fazer o que pode para manter o controlo da cidade”, indicou Prigozhin. “Dezenas de milhares de soldados ucranianos estão a oferecer uma forte resistência e os combates tornam-se cada vez mais sangrentos”.

Fotos recentes de ‘drones’ mostram a escalada de devastação na cidade, e quando Zelensky já considerou que está “destruída”.

Na sequência da invasão da Ucrânia há um ano, a Rússia bombardeou várias cidades e localidades que pretendia ocupar. As infraestruturas energéticas foram outro alvo dos ataques, num aparente esforço para enfraquecer a moral da população e das tropas locais.

Analistas ocidentais citados pela agência noticiosa Associated Press (AP) têm referido que o regresso do tempo quente pode fornecer uma oportunidade a Moscovo para desencadear uma nova ofensiva, e alertam para a possibilidade de um longo conflito.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro de 2022 pela Rússia na Ucrânia causou até agora a fuga de mais de 14 milhões de pessoas — 6,5 milhões de deslocados internos e mais de oito milhões para países europeus –, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Neste momento, pelo menos 18 milhões de ucranianos precisam de ajuda humanitária e 9,3 milhões necessitam de ajuda alimentar e alojamento.

A invasão russa — justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia — foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 8.101 civis mortos e 13.479 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Digo
    01 mar, 2023 Eu 21:34
    Mesmo que retirem, continuam a ter bastiões importantes no Donbass. E a cidade será retomada na contra-ofensiva ucraniana em preparação, que aguarda a chegada do bom tempo e do grosso das armas Ocidentais prometidas.

Destaques V+