Tempo
|
A+ / A-

Turquia termina busca de sobreviventes na província de Hatay

21 fev, 2023 - 21:37 • Lusa

Presidente turco diz que 139 mil edifícios, incluindo casas ou escritórios nas 11 províncias afetadas, foram demolidos ou severamente danificados pelos tremores de terra.

A+ / A-

As autoridades turcas deram esta terça-feira por terminadas as buscas por sobreviventes na província de Hatay, a mais duramente atingida pelos terramotos de 6 de Fevereiro e que sofreu mais dois tremores na segunda-feira à noite.

Os sismos de magnitude 6,4 e 5,8 da noite passada causaram o colapso de muitos edifícios que já tinham sido gravemente danificados pelos terramotos de há 15 dias.

Seis pessoas morreram em resultado dos colapsos, um número que as autoridades consideram agora definitivo, segundo a agência noticiosa turca oficial Anadolu, enquanto 294 pessoas, 18 das quais gravemente feridas, receberam cuidados médicos.

O número de mortos não foi mais elevado porque desde o primeiro sismo, que causou a morte a pelo menos 42.310 pessoas em toda a Turquia, os edifícios em Antioch e arredores permanecem desocupados e as pessoas têm passado a noite ao ar livre em tendas ou em casas pré-fabricadas que estão a ser montadas.

Pelo menos três das seis vítimas eram pessoas que tinham entrado em edifícios vazios ainda de pé para recuperar os seus pertences, uma prática comum nos dias de hoje, mas muito arriscada como o terramoto de segunda-feira à noite demonstrou.

Veja o momento em que a missão portuguesa resgata "Tuga", o cão preso sob os escombros na Turquia
Veja o momento em que a missão portuguesa resgata "Tuga", o cão preso sob os escombros na Turquia

O novo tremor de terra e o seu tremor secundário, com o seu epicentro a apenas uma dúzia de quilómetros a sul de Antioquia, abalaram também edifícios que até agora pareciam intactos, de modo que nenhuma casa pode ser considerada segura de momento, segundo a emissora turca NTV.

O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, disse esta terça-feira que 139 mil edifícios, incluindo casas ou escritórios nas 11 províncias afetadas, foram demolidos ou severamente danificados pelos tremores de terra.

No total, depois de investigar mais de um milhão de edifícios na área, um em cada dez está desmoronado ou tem de ser demolido urgentemente, concluiu o ministro do Urbanismo, Murat Kurum.

A proporção é duas vezes superior nas duas províncias mais afetadas, Kahramanmaras e Hatay, onde um em cada cinco edifícios controlados é destruído.

Hatay, uma província de 1,6 milhões de habitantes com uma agricultura florescente, indústria, artesanato e turismo local, é de longe a mais afetada, com 37.000 edifícios em ruínas.

A capital provincial, Antioquia, com quase 400 mil habitantes, está tão destruída que a economia não poderá recuperar a curto prazo, disse Hikmet Çinçin, presidente da câmara de comércio local, à emissora NTV.

Segundo este responsável, das 2.000 pequenas empresas registadas, 1.700 foram arruinadas pelos terramotos, causando um êxodo de sobreviventes que carecem dos serviços necessários para a vida quotidiana.

Duas instalações industriais nas colinas da periferia de Antioquia resistiram ao terramoto praticamente incólumes, mas não poderão continuar a funcionar, uma vez que tanto os trabalhadores como os empregados mais instruídos deixaram a área, disse Çinçin.

A indústria local está agora desesperadamente à procura de trabalhadores mas terá de fechar se ninguém ficar para viver numa cidade onde não há eletricidade neste momento, concluiu.

O terramoto de 6 de fevereiro, com epicentro em território turco, e ao qual se seguiram várias réplicas, fez pelo menos 44 mil mortos e mais de 100 mil feridos na Turquia e na Síria, números ainda provisórios e que deverão continuar a aumentar.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+