A+ / A-

Bruxelas discute munições para Kiev e novas sanções a Moscovo

20 fev, 2023 - 06:23 • Lusa

Os ministros dos Negócios Estrangeiros dos 27 vão escutar do homólogo ucraniano, Dmytro Kuleba, as necessidades mais urgentes das forças armadas ucranianas face à esperada ofensiva da primavera que a Rússia poderá lançar.

A+ / A-

Os chefes de diplomacia da União Europeia discutem, esta segunda-feira, em Bruxelas, a continuação do apoio militar a Kiev e o décimo pacote de sanções a Moscovo, em vésperas do primeiro aniversário do início da invasão da Ucrânia pela Rússia.

Numa reunião que contará com a participação presencial do seu homólogo ucraniano, os ministros dos Negócios Estrangeiros dos 27 deverão escutar de Dmytro Kuleba as necessidades mais urgentes das forças armadas ucranianas face à esperada ofensiva da primavera que a Rússia poderá lançar, devendo focar-se na questão das munições.

No sábado, intervindo na Conferência de Segurança de Munique, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, apelou a uma aceleração da produção de armamento convencional, como munições, de que Kiev "precisa desesperadamente", e sobre a mesa voltará a estar a possibilidade de os Estados-membros da UE avançarem para compras conjuntas.

A Estónia, país báltico na vanguarda do apoio à Ucrânia, apresentou aos seus parceiros uma proposta quantificada: uma dotação de quatro mil milhões de euros dos Estados-membros ao Mecanismo Europeu de Apoio à Paz, o instrumento que tem sido utilizado há praticamente um ano para a compra e fornecimento de armamentos para a Ucrânia.

Os 27 também irão discutir o décimo pacote de sanções à Rússia, com base na proposta apresentada na semana passada pela Comissão, e que abrange tecnologias críticas para a máquina de guerra russa, num montante total estimado em mais de 11 mil milhões de euros, e visa também a “máquina propagandista” do Kremlin.

Este pacote, que a UE quer adotar esta semana para assinalar o primeiro aniversário do início da agressão militar russa, que se cumpre na próxima sexta-feira, 24 de fevereiro, contempla bens industriais de que a Rússia necessita, como equipamentos eletrónicos, veículos especializados, peças de máquinas e motores, peças sobressalentes para camiões e motores a jato.

Por outro lado, a lista de indivíduos e entidades alvo de medidas restritivas deverá ser alargada, pela primeira vez, a entidades iranianas, incluindo aquelas ligadas à Guarda Revolucionária do Irão, por Teerão estar a fornecer à Rússia drones que têm sido utilizados para atacar infraestruturas civis na Ucrânia.

Portugal está representado na reunião pelo ministro João Gomes Cravinho.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+